Como Funcionam os Motores de Busca – Saiba Tudo

Saber como é que as pessoas usam os motores de busca é uma enorme vantagem para compreender como é que, na realidade, funciona a Internet, o que, por sua vez, lhe dá uma vantagem competitiva face aos seus concorrentes.

Um estudo efectuado em 2008, revela a importância de estar bem posicionado, de preferência na primeira página dos motores de busca, de forma a atingir o sucesso online. Seja o que isso signifique para si, vendas, subscrições, ou comissões de programas de afiliado. Embora já tenha feito referência a este estudo num artigo anterior, parece-me evidente que é necessário reforçar as ideias e conclusões que surgem como resultado desse estudo.

Ainda acha que consegue atingir o sucesso online sem ter o seu site listado na primeira página do Google?
Pense melhor…

Como Funcionam os Motores de Busca

De acordo com este estudo, 68% das pessoas que utilizam os motores de busca, nunca passam da primeira página.

Mais, apenas 8% dos utilizadores chegam a ver a 3ª página de resultados…
Se o seu site estiver na 3ª página, consegue agora ter uma ideia do número de utilizadores que lhe estão a escapar?

Estas percentagens representam uma mudança assinalável quando comparadas com as percentagens de um estudo realizado em 2002, onde apenas 48% dos utilizadores ficavam pela 1ª página dos resultados (agora 68%), e onde cerca de 19% dos utilizadores chegavam à 3ª página (agora apenas 8%).
A tendência cada vez mais, nos indica que estar presente na 1ª página dos resultados das pesquisas, é cada vez mais determinante, pois caso contrário, está a perder cada vez mais audiência e a possibilidade de atingir o sucesso será cada vez menor. Por isso, é que se torna cada vez mais evidente e fundamental, ter o seu site ou blog devidamente optimizado para os motores de busca para os termos de pesquisa que são mais importantes para si.

Além do benefício óbvio de receber mais visitas ao seu site, o estudo revela outro motivo que dá ainda mais importância ao facto de estar presente na primeira página dos resultados; é que, segundo cerca de metade das pessoas que serviram de base a este estudo, os sites que estão listados na primeira página são consideradas (por eles) como autoridades nos temas alvo das pesquisas.

Este elemento, embora não sendo propriamente uma novidade, vem corroborar uma teoria que não é da minha autoria, mas que eu tenho vindo a defender há já algum tempo. É que, o mercado online é muito diferente do mercado offline, e um dos aspectos que mais se destacam é o facto de que, indivíduos particulares como você e eu possam competir lado a lado na busca de tráfego gratuito, com empresas de alguma dimensão, em igualdade de circunstâncias.

Este facto, possibilita a qualquer pessoa iniciar o seu próprio negócio, e ganhar dinheiro de uma forma que, até haver esta hipótese, era muito mais difícil.
A crescente procura online por produtos e serviços da natureza mais variada, abre outra porta; a porta da diversidade de nichos onde se pode lançar a atingir o sucesso.

Espero que este artigo lhe tenha dado mais algumas ideias do que poderá vir a fazer no futuro ou a melhorar o que já tem em curso.

  • Olá João!
    Estar fora das pesquisas é como não existir. Senti isso bem de perto quando meu blog foi injustamente punido. E falo mais, estar fora das pesquisas do Google é como não existir. Yahoo e Bing não me trazem praticamente nada de visitas, cerca de 90% dos visitantes vem do Google.
    Mas o problema é chegar à primeira página. Muito difícil para keywords longtail, imagine para keywords normais? Estou fazendo o máximo possível para conseguir isso, consegui já com algumas keywords longtail, mas a concorrência é enorme e não é nada fácil. O problema é que realmente competimos com grandes empresas, e as vezes elas tem investido dinheiro para ficar nos primeiros lugares, e para a gente, que não investe, fica bem mais difícil.
    Mas estou tentando, e testando bastante. Ainda vou pegar o jeito dessa coisa!
    Um abraço!

  • Olá Sandra,
    Pois, eu sei do seu episódio.
    Mas como já disse noutro comentário, recorrendo ao longtail com mais alguns ingredientes não é difícil.
    É claro que também depende muito do nicho. Alguns são mais difíceis que outros, mas é possível. Pode é requerer mais trabalho.

    “Ainda vou pegar o jeito dessa coisa!” :)

    Abraço,
    JR

  • Pois é João!
    Acho que eu sempre escolho os nichos mais difíceis mesmo…
    Até com longtails é difícil para mim chegar a primeira página…
    Um abraço!

  • Bruno

    Pois é muito importante adquirir uma das 3 primeiras posições pela nossa palavra chave no mínimo.

    Outra coisa que me lembrei referente a isto e acho que o Google deve colocar bastante pesso nisso é o seguinte:

    Quando pesquisamos por exemplo “Como fazer um bebe dormir” supondo que isso tem 1000 visitas e a 1º pagina que esta la não e de todo a adequada as pessoas entram na 1º pagina retrocedem e vão para a 2º portanto o Google assume que a 2º pagina é melhor e passa-o para 1º resultado, acho que é um dos algoritmos em que o Google coloca mais peso.

  • Olá João,

    É verdade que é bem difícil conseguir as primeiras posições e afinal o objectivo das técnicas de SEO é justamente conseguir o melhor posicionamento nos resultados de busca, e como já disse ainda estou muito atrasado.

    Tenho reparado que há blogs em que o título é a maior atracção. Nesse caso aparecem antes do título do artigo.

    Outros colocam primeiro o título da postagem e só depois o nome do blog.

    E já tenho visto começarem de uma maneira e passado alguns dias mudarem para a outra, e com isso melhorarem o posicionamento.

    Esta é das partes mais interessantes para quem se interessa pelos blogs. Estou aprendendo.

    Um abraço.

  • Bruno agora nós também podemos decidir os nossos rankings. Quando fazes uma pesquisa podes promover determinado resultado e ele vai subir de lugar pelo menos na nossa pesquisa. Depois o impacto que isso têm nos rankings totais é que não sei sabe.

  • Bruno

    Exacto Nelson eu também faço(fazia) isso, e não só quando for a outro pc imagine que o seu site esta na 5º posicao vai desde o 1º ate ao 4º a visitar e retroceder para o Google e qaundo chegar ao 5º para parece qu ficou satisfeito “roda” varias paginas em seu site.

  • E isso dá certo Bruno?!
    Nunca tinha pensado!
    Que engraçado, estou aprendendo muito com vocês aqui! Rs…

  • Bruno

    Não te posso garantir se da certo ou não, eu penso que sim, afinal de contas isso para o Google não é o administrador do site que esta fazendo mas sim um internauta que não ficou satisfeito com os primeiros sites que visualizou e ficou satisfeito com o teu.

    O Google regista tudo, eu penso que tenha importância…

    Imagine o seguinte, uma pagina com um artigo passa a frente do paypal pela palavra “paypal” mas o Google vai perceber logo que os visitantes querem o 2º resultado e não o 1º

    Outra coisa que também não deves saber, muitos sites de empresas são feitos em flash(linguagem que o Google não lê muito bem) e não ficam nas 1º posições, o próprio Google altera manualmente o resultado, quem confirmou isso foi Matt Cuts(Engenheiro do Google)

  • Sim mas não sei até que ponto isso vai mexer nos rankings. Mesmo sem isso o google sabia quem eram os melhores resultados. Era simples era o que recebia mais visitas. Se um site em 2º lugar recebe mais cliques do que o que está em primeiro alguma coisa se passa e o google repara nisso.

  • Na minha opinião e com base na minha experiência, a manipulação de resultados não tem resultados efectivos nos rankings globais. Ou pelo menos resultados que sejam visíveis para o utilizador comum.

    É verdade que o Google tem vindo a trabalhar na personalização dos resultados das buscas com base no perfil do utilizador (o que penso esteja em testes), e aqui sim, poderemos estar face a um novo desenvolvimento que poderá alterar o cenário do SEO drasticamente.

    Seja qual for o caso, nada é estanque.
    O Google está constantemente a fazer alterações aos algoritmos e volta a baralhar tudo mais um bocadinho.
    Por este motivo é que acho que, para efeitos de hobbies, estar “preso” ao tráfego do Google não é grave, mas em termos de negócio já acho que é quase obrigatório trabalhar em vários sentidos.

    Abraço,
    JR

  • Olá Bruno!
    “O Google regista tudo, eu penso que tenha importância…”
    Se registra tudo mesmo deve saber que é você que está fazendo isso, se entrou no analytics ou no adsense, ele deve guardar seu ip ou coisas assim, pois ontem mesmo aconteceu uma coisa engraçada. Estava pesquisando sobre forex, fiz várias pesquisas e tal, depois que encontrei o que queria, entrei num site sobre machu picchu, e sabe quais anúncios apareceram do adsense? Adivinhe: tinha dois sobre forex! Pois é, fiquei pensando e ele deve ter um jeito de rastrear tudo o que fazemos….
    Oi João!
    Mas se não recebemos visitas dos mecanismos de busca vamos receber de quem? Já que diz que não devemos estar presos ao Google, só se seu público for muito fiel e sempre voltar, e ainda indicar para outros. Mas você deve estar falando de outras maneiras? Quais?
    Um abraço!

  • Bruno

    O Google faz ou queria fazer uma coisa muito melhor, era distribuir Internet gratuitamente e por exemplo se acedias a Internet no Porto iam aparecer anúncios relacionados com essa região de forma aos anunciantes conseguirem atingir o seu publico alvo, é claro que isto se for feito não é em Portugal mas nos Estados Unidos, o Google é muito esperto, quem investe na bolsa deveria investir no Google 😀

  • Sandra pode ser apenas uma coincidência e o site em que entras-te falar sobre forex. Mas penso que pelo menos em parte a tua pesquisa deve ter ajudado.
    Sandra ele não se referiu aos motores de busca mas sim ao google. Se apenas recebes tráfego de lá podes correr o risco de o google te penalizar e seres expulsa dos rankings. Tens de apostar no bing, sapo e por ai fora. Depois existe o trafego directo, troca de links etc.

  • @ Sandra,
    Passa um pouco pelo que o Nelson disse.
    Não quer dizer que seja necessário fazer isso, apenas acho interessante vermos as coisas noutras perspectivas, principalmente porque nunca estamos livres de sofrer algum tipo de penalização e perder as horas e dias de trabalho que investimos num projecto.

    Imaginem uma pessoa ter um um site comercial e ser banido do Google por alguma razão.
    Se pensarmos que esse site pode ser a fonte de rendimento dessa pessoa e que o site sobrevive maioritariamente de tráfego gratuito, pode ser uma situação muito complicada.

    Seja como for, acho muito interessante pensar nisso, e sobre como podemos explorar outras fontes de tráfego, não ficando tão dependentes do Google.

    Há uma expressão que se aplica muito bem qo que quero dizer:
    “It´s food for thought.” :)

    Abraço,
    JR

  • Nelson!
    Disse “Se apenas recebes tráfego de lá podes correr o risco de o google te penalizar e seres expulsa dos rankings”, mas não entendi, posso ser expulsa por algum motivo qualquer, ou pelo fato de só receber visitas do Google!?!?
    João, eu entendo que não devemos ter uma única fonte de tráfego, mas mesmo entre as visitas vindas de buscadores é absurda a diferença de quantos vem pelo google e de quantos vem pelo yahoo e bing. Não sei como aumentar essas visitas, já que parece que todo mundo usa só o Google, se forem igual a mim, então é verdade!

  • legal

  • ester_vanzeler@hotmail.com

    ñ li nada.kkkkkkkkkkkkk’*-*