Google Revela as Palavras Mais Pesquisadas em 2015

À semelhança de anos anteriores, o Google revelou agora as palavras mais pesquisadas em 2015, e nesta lista há algumas questões que não deixam de ser interessantes. Além das habituais celebridades, que fazem sempre parte dos tops, os “Quês” e os “Porquês” captaram a minha atenção 🙂 Não sendo uma absoluta novidade, é uma excelente fonte…

Keyword Planner Substitui Google Keyword Tool

A Google Keyword Tool foi sempre (desde que me lembro de “ser gente”) a mais importante ferramenta de trabalho para todos os marketers, webmarsters e bloggers, pois era graças a ela que conseguíamos facilmente escolher as melhores keywords/palavras chave e captar mais tráfego gratuitamente proveniente das pesquisas feitas no Google.

keyword-planner

É verdade que existem algumas soluções pagas muito interessantes e que também permitem analisar muita informação importante. Eu já falei aqui no Web Marketing daquelas que eu achava serem as melhores ferramentas para escolher as melhores keywords, e embora até faça sentido poder publicar uma atualização dessa lista, mais para incluir uma ou outra e eliminar aquelas que estão a desaparecer ou a serem substituídas por outras, a realidade é que a Google Keyword Tool era, até à data que escrevo este artigo, quase incontornável para qualquer pessoa que trabalhe o mínimo de SEO no seu site ou blog.

Posto isto, a realidade agora é que a Google Keyword Tool está a ser substituída pela Adwords Keyword Planner, que à data de hoje é uma ferramenta muito mais virada para apoiar os anunciantes do Google, ou seja aqueles que investem em publicidade neste motor de busca.

O aviso já está à vista e crê-se que a mudança será rápida.

A Adwords Keyword Planner, embora possa ainda não estar absolutamente “fechada” em termos de desenvolvimentos, aproxima-se mais de uma ferramenta de apoio às campanhas dos anunciantes do Google do que propriamente a uma ferramenta de marketing e SEO.

Existe a possibilidade da Adwords Keyword Planner ser complementada com algumas informações que possivelmente estariam disponíveis na Google Keyword Tool, mas ainda nada é certo, a não ser que esta mudança está à vista e em curso, sendo por isso, inevitável quer se goste ou não.

É importante ainda referir que é necessário ter uma conta Google para poder aceder à nova ferramenta Adwords Keyword Planner.

Embora exista “espalhado pela web” uma sentimento generalizado de descontentamento com esta mudança, penso que ainda seja um pouco prematuro tirar conclusões, por isso para já em vez de avançar com alguns “bitaites”, vou aguardar um pouco mais para formar uma melhor opinião.

E você já tem opinião formada sobre esta mudança?

Google Panda Vs. Google Pinguim (Infográfico)

Para tentar esclarecer, ainda que “por alto”, as diferenças entre estas duas alterações, publico aqui um infográfico muito interessante onde é possível ver e perceber as principais diferenças entre o Google Panda e o Google Pinguim.

Não havendo, para já, mais animais para comparar, o info-gráfico é bastante ilustrativo das principais diferenças e é algo que toda a gente deve ver e ler pelo menos uma vez.

Penguin-Vs-Panda

Info-gráfico por Reload Media.

 Se tiver alguma dúvida, não hesite em deixar um comentário!

Google Lança Google Zeitgeist 2012!

Como tem vindo a fazer todos os anos, a Google publicou o Google Zeitgeist 2012, com os resultados das pesquisas realizadas durante este ano.

Em 2012, foram realizadas cerca de 1.2 triliões de pesquisas no Google em 146 línguas diferentes, o que diz bem do crescimento do Google como motor de busca de eleição em muitos países.

google-zeitgeist-2012

Para quem não conhece ou não sabe o que é o Google Zeitgeist, aconselho ver este curto vídeo. E mesmo para quem conhece, porque o vídeo está interessante.

Para qualquer análise que venha a fazer dos termos mais pesquisados em 2012 para Portugal ou Brasil, poderá sempre analisar por categorias, tal como em anos anteriores, o que torna os resultados mais interessantes.

zeitgeis-pesquisas-mais-populares

Continuo a achar que seria interessante “afinar” algumas categorias, mas não sei até que ponto o Google teria interesse em revelar informação com mais detalhe. Ainda assim, consultando o Google Zeitgeist 2012 encontra-se informação interessante.

O que acha dos resultados?

Viu alguma surpresa ou algo que ache curioso?

Cuidado com o PageRank Falso!

Todos já sabem o que é o Google PageRank ou pelo menos têm uma ideia. Para quem não sabe, resumidamente, o Google Pagerank é uma pontação que o Google atribui a todos os sites com base num conjunto de métricas, e que resultam numa pontuação entre 0 e 10, em que 10 é a pontuação mais alta.

O que muitos não sabem, e eu também desconhecia até há algum tempo atrás, é que existe forma de “falsificar” o PageRank, não no que diz respeito ao Google, mas “aos olhos” das outras pessoas.

pr-falso

Parece incrível, mas é verdade. E o pior é que existe muita gente a falsificar o seu PageRank para vender domínios por valores acima do que realmente valem.

Descobri este truque, quando em tempos estava a avaliar a compra de um domínio com PR 5, e tal como aconselho que seja sempre feito, quando se equaciona comprar um domínio ou um site, deve-se sempre investigar um pouco para saber mais informação que aquela que nos é dada pelo vendedor.

Foi então nessa investigação que descobri que o PageRank era falso e que o vendedor estava a vender “gato por lebre”. Felizmente descobri a tempo e não comprei o dito domínio, poupando-me assim a uma carga de chatices e a um mau investimento.

De fato, existem muitas aplicações para medir o PageRank, mas a realidade é que algumas delas não detetam se o mesmo é verdadeiro ou falso.

Dando um exemplo concreto, por exemplo o domínio “psartstudio.com”.

Se usarmos o PRChecker.info, que por acaso até é o primeiro resultado do google, quando se pesquisa por “pagerank checker”, o resultado é um maravilhoso PR 6.

falso pr

No entanto, se recorrermos a outras aplicações, menos conhecidas, menos acessadas, mas bem mais fiáveis que esta, com é o caso do RankCheker, podemos facilmente ver se o PageRank é verdadeiro ou falso. E neste caso, para o domínio do exemplo, o PR6 apresentado pelo PRChecker.info, é falso!

falso pr

Note que estes resultados foram os outputs recolhidos à data da escrita deste artigo e que os dados podem variar com o tempo.

Este truque é feito através de scripts, que têm por fim, enganar os mais distraídos.

Uma cuidadosa verificação do PageRank é algo que o aconselho a fazer sempre que estiver a pensar adquirir um domínio, não vá estar a ser enganado e pagar muito por um domínio que não vale nada, pelo menos em termos de PR.

É claro que o PageRank não é, nem deve ser, a única métrica a analisar, mas dada a sua importância, mas vale estar prevenido 🙂

Google Lança Webmaster Academy

A Google lançou recentemente a Google Webmaster Academy, um local de aprendizagem especialmente destinado a principiantes, mas não só para estes.
O acesso à Webmaster Academy é gratuito e não requer qualquer registo. No entanto, se estiver ligado à sua conta do Google, poderá acompanhar o seu progresso no processo de aprendizagem dos conteúdos da academia.

Já existem vários conteúdos publicados e estão organizados pelas seguintes temáticas:

  • Google & You
  • Webmaster Tools
  • Businesses
webmaster-academy

Para que possa ter uma ideia do tipo de conteúdos, estes são os temas abordados no Módulo Google & You:

  • Como funciona o Google
  • Certifique-se que o Google tem conhecimento do seu site
  • Influencie o desempenho do seu site nas pesquisas
  • Crie bom conteúdo
  • Imagens e Vídeo
  • Ligue-se ao Google+
  • Outros recursos

Embora os conteúdos não sejam ainda muitos, e especialmente destinados a pessoas que não tenham ainda muitos conhecimentos nestas matérias, não deixa de ser interessante fazer uma visita e avaliar por si mesmo. Nunca se sabe quando se aprende algo novo e útil. Veja aqui: Webmaster Academy.

Já conhecia? Achou útil?

Internet Semântica: Google Apresenta o Knowledge Graph

Com o intuito de mudar a forma como o Google nos devolve os resultados de uma pesquisa, a Google apresenta-nos o Knowledge Graph, um passo muito importante para aquilo que se prevê com sendo o futuro da internet no que respeita às pesquisas; a internet semântica.

O Knowledge Graph considera o objeto da pesquisa e estabelece correlações entre vários objetos de várias naturezas que estejam relacionados com o termo que é objeto da pesquisa, de forma a nos serem devolvidos vários tipos de resultados com o intuito de prestar um melhor serviço ao utilizador.

A ideia será tentar replicar no Google, a forma como nós humanos estabelecemos relações entre objetos e fazer refletir essas relações nos resultados das pesquisas que efetuamos.

Este vídeo ajuda a perceber melhor a abordagem da Google à internet semântica, que, embora não seja novidade, está a ser lançada agora nos Estados Unidos e será depois alargada aos restantes países.

Esta abordagem terá certamente, grandes impactos ao nível de SEO, embora ainda seja muito prematuro podermos falar sobre isso. Será algo que, futuramente,  irá “fazer correr muita tinta”.

O que acha que esta abordagem vai trazer de novo?

Google Pinguim: Impactos e Dicas

O Google lançou nova actualização do seu algoritmo de busca, agora chamado Google Penguin, com o principal intuito de penalizar sites que tenham usado métodos de optimização não aconselhados pelo Google.

Mas será que esta atualização foi implementada com sucesso?

google pinguim

Embora seja discutível, como tantas outras coisas, e cada um possa ter a sua opinião, a minha é que alguns aspectos das últimas actualizações do algoritmo do Google, não estão a ser (muito) bem implementadas, pois estão constantemente a apanhar sites que não são o pretenso alvo das actualizações, ou melhor, poderiam-se limitar mais aos sites que, de fato, são o alvo, limitando assim os seus danos colaterais, mas reconheço que, com tantas variáveis em jogo, isso poderá não ser tarefa fácil.

É claro que, temos de ter sempre em mente que, mesmo que um site não seja apanhado pela atualização, mas se outros que conduzam tráfego para esse forem apanhados e perderem rankings, então o primeiro também sofre por consequências, mas isso não é tráfego orgânico, mas sim tráfego proveniente de referências de ou outros domínios.

Mas isto é apenas a minha opinião com base no que tenho visto de sites meus e de terceiros. Você terá a sua, concerteza (e ainda bem!).

Do blog oficial do Google:

In the next few days, we’re launching an important algorithm change targeted at webspam. The change will decrease rankings for sites that we believe are violating Google’s quality guidelines. This algorithm represents another step in our efforts to reduce webspam and promote high quality content.

Mas o que é que o Google considera webspam?

Supostamente, tudo o que vai contra as Guidelines de qualidade do Google, como é o caso de práticas como o keyword stuffing, link scheems ou link wheels, cloaking, entre outras actividades que o Google desaconselha e penaliza.

Mas mais uma vez, há sites que não estavam a cometer nenhuma destas práticas e foram “apanhados” no cerco do Pinguim. Isso, eu posso afirmar com certeza, pois sei de alguns casos concretos de sites que não estão envolvidos em nenhuma prática desaconselhada pelo Google, de acordo com as suas Guidelines, e que, mesmo assim, sofreram perdas de tráfego orgânico bastante consideráveis.

Inclusive, casos em que os webmasters e bloggers, investem muito tempo, esforço e dinheiro para conseguirem aumentar as visitas do blog (ou do site), e depois são apanhados por estas atualizações que lhe reduzem consideravelmente o tráfego que tanto lhes custou a conseguir.

Para que possa ter uma ideia de alguns sites que perderam muito tráfego orgânico com esta actualização, aqui ficam alguns exemplos:

Domain SEO Visibility Difference in %
songlyrics.com

128186

-128679

-50,10

great-quotes.com

4515

-72248

-94,12

comcast.com

143032

-66286

-31,67

dslreports.com

65264

-63770

-49,42

appbrain.com

100782

-53439

-34,65

hotels-rates.com

16868

-43554

-72,08

1-love-quotes.com

30366

-42772

-58,48

tvrage.com

124821

-40846

-24,66

shoplocal.com

39654

-39966

-50,20

vzw.com

31323

-38387

-55,07

free-games.net

40883

-37542

-47,87

hotelplanner.com

8933

-33676

-79,03

consumeraffairs.com

50384

-32243

-39,02

(fonte: blogsearchmetrics)

A verdade é que estamos, cada vez mais, nas mãos destas actualizações que, são implementadas sem dó nem piedade, e se apanham alguém que não é suposto, só à posteriori é que supostamente vão rever a situação, e sabe-se lá quanto tempo é que vão demorar a fazê-lo, e qual será o desfecho. Entretanto, o site já perdeu grande parte do seu tráfego e receitas.

De qualquer forma, como é sabido, esta é uma “batalha” desequilibrada, pois o poder está todo do mesmo lado, e a única solução é “dançar ao som da dança” do Google, por isso, das várias análises que fiz, deixo-lhe 4 dicas rápidas para tentar evitar que seja “apanhado” pelo Pinguim, além de cumprir com as Guildelines do Google, claro. Ou se já foi apanhado pelo Pinguim, para tentar alterar a situação asap.

Microsites

Cuidado com a criação de micro-sites que servem apenas para criar backlinks para o seu site. Se você optou por implementar está prática, é melhor que proceda a alguns ajustes para que esta ainda seja eficaz. Nomeadamente alternar os links dos seu micro-sites com outros sites que não apenas o seu.

Redes de Blogs

Promova os seus conteúdos em redes de blogs, mas tente manter apenas as de melhor qualidade, já que muitas estão a ser penalizadas por estas últimas actualizações.

Texto Âncora

Aparentemente um dos aspectos que está a ser relevado é o peso do texto âncora no processo de optimização. Crie algumas variantes do texto âncora, sempre relacionadas com o conteúdo, mas de forma a evitar usar sempre a mesma.

Conteúdos

O Google continua a apregoar que deseja promover os conteúdos de qualidade, por isso, este é um método que vai de encontro à sua recomendação, além de que, na minha opinião, é sempre algo que deve ser equacionado em qualquer projecto.

Primeiro, espero que os seu sites não tenham sido “apanhados” pelo Pinguim, mas se foram, espero que estas dicas o(a) ajudem a ultrapassar a situação rapidamente.

Google Panda 3.2 Novo Ataque aos Rankings + Info-Gráfico do Panda

O Google tem andado mais ativo que nunca com atualizações constantes ao Google Panda, e por isso, é natural que algumas pessoas tenham notado esta semana uma quebra no tráfego do seu site.

O Panda está cada vez mais temível e rigoroso com novos parâmetros sendo adicionados regularmente. Com esta já vamos na versão 3.2, embora o Google diga que desta vez não houve adição ou alteação de itens no algoritmo.

Embora já tenha falado várias vezes sobre o Google Panda, parece-me pelo que tenho visto, que, ou não estão a fazer muito bem “a coisa”, ou então começam a ser “mais papistas que o Papa“.

Tenho visto alguns sites aparentemente “inofensivos” a serem apanhados na malha e a perderem muito do seu tráfego orgânico. Confesso que, por vezes, até a mim me surpreendem as alterações que ocorrem fruto do Panda, mas enfim, estamos cá para dar a volta em caso de necessidade.

Para ter uma ideia do histórico do Google Panda, aqui ficam todas as ocorrências até à data:

  • Panda Update 1.0 – Fevereiro 2011
  • Panda Update 2.0 – Abril 2011
  • Panda Update 2.1 – Maio 2011
  • Panda Update 2.2 – Junho 2011
  • Panda Update 2.3 – Julho 2011
  • Panda Update 2.4 – Agosto 2011
  • Panda Update 2.5 – Setembro 2011
  • Panda Update 3.0 – Outubro 2011
  • Panda Update 3.1 – Novembro 2011
  • Panda Update 3.2 – Fevereiro 2012

Com a intenção de prestar ainda mais informação sobre o Panda, encontrei este info-gráfico, que, além de ilustrar, tem informação muito interessante sobre este tema.

Espero que o (a) ajude!

 Créditos do Info-gráfico: SingleGrain

A Google Lançou o Google Think Insights

A Google lançou recentemente o Google Think Insights, um conjunto de aplicações e informação, que na minha primeira análise, parece ser muito útil para quem quer estar atualizado em temas tão interessantes como comportamentos nas pesquisas até comportamentos nas compras online.

O Google Think Insights disponibiliza informação em tempo real (o que é excelente) e através de 5 ferramentas:

  • Latest Insights – Aqui pode encontrar um resumo da última informação e destaque no próprio dia.
  • Research Library – Um aquivo repleto de estudos, vídeos e info-gráficos sobre vários tópicos
  • Planning Tools – Um conjunto de ferramentas que lhe permitem aceder a muita informação em tempo real, em várias áreas; pesquisas, mobile, entre outras.
  • Facts & Stats – Como diz o próprio nome, aqui encontra fatos e estatísticas diversos.
  • Thinking Ahead – Esta ferramenta também é muito interessante pois aborda as novas tendências a que a Google está prestar atenção e que podem vir a moldar o futuro.

Pode consultar aqui o Google Think Insights. Vane a pena ver!

Já conhecia? O que acha destas aplicações?

O Melhor do Web Marketing em 2011: Email Marketing e Google

Este é o último artigo da série de compilações dos melhores artigos de 2011, e focam 2 temas muito pertinentes e atuais; Email Marketing e Google.

Como já disse várias, com tantas mudanças ao nível do algoritmo do Google (Google Panda), 2011 foi um ano em que muito mudou.

O melhor de 2011: Email Marketing e Google

Abordei também, creio que o primeiro artigo com dicas para melhorar as campanhas de Adwords aqui no blog e parece-me que teve boa aceitação, pelo que poderá ser um tema a abordar no futuro.

O Email Marketing foi um dos principais focos do workshop que fiz recentemente, no Creative Learning Lisbon 2011, não fosse este um dos tópicos onde há muito para a aprender em termos de boas práticas e enquadramento num plano de marketing digital.

Email Marketing

Google

 

Espero que goste desta compilação de artigos! Eu gostei de os reunir para si.

Se tiver alguma sugestão de algum tema que queira ver abordado aqui no Web Marketing, deixe um comentário! São sempre bem-vindos!

Google Zeitgeist 2011

A Google publicou o Google Zeitgeist 2011.

O Google Zeitgeist 2011 é a compilação das palavras mais pesquisadas no Google durante o ano a que diz respeito, neste caso 2011, claro.

À semelhança do ano passado, alguns dos resultados não são surpresa, mas vale a pena ver.

Do site do Google Zeitgeist:

“Zeitgeist” means “the spirit of the times”, and Google reveals this spirit through the aggregation of millions of search queries we receive every day. We have several tools that give insight into global, regional, past and present search trends. These tools are available for you to play with, explore, and learn from. Use them for everything from business research to trivia answers.

As pesquisas são apresentadas por categorias, tais como, principais pesquisas, filmes, desporto, notícias, TV, entre outras.

Também é possível ver em cada categoria as pesquisas que registam as maiores quedas.

O Google Zeitgeist apresenta, este ano, um visual renovado, na linha do novo visual dos sites Google, e também uma navegação mais interativa.

Além disso, também podemos ver um curto vídeo que recupera alguns dos momentos mais marcantes do ano de 2011.

Vale a pena visitar e ver -> Google Zeitgeist 2011.

Pessoalmente acho excelente a divulgação desta informação, mas acho também que não fazia mal nenhum a Google ir  um bocadinho mais além e divulgar mais categorias.  Não concordam?

Atualização: Google Panda, Conteúdo Duplicado e Plágio

Neste momento, você já tem uma ideia clara sobre o que é Google Panda e o que ele representa ou pode representar para os seus rankings.

Também já tem algumas dicas importantes sobre como sobreviver ao Google Panda e o que tem de fazer para combater o plágio, que gera a duplicação de conteúdo, o que, por sua vez, é um dos vários focos do Google Panda, mas neste vídeo são dadas indicações claras de quais devem ser as prioridades e o caminho a seguir.

Ao ter conhecimento de uma explicação dada em vídeo por Matt Cutts do Google a este respeito, não quis deixar de o partilhar com os leitores do Web Marketing, pois, no seguimento das dicas que já transmiti aqui no blog, penso que é uma complemento valioso, e altamente aconselhável para melhor perceber como ultrapassar estes problemas, ou até para evitá-los.

É um fato inegável que, embora hajam algumas medidas que possamos tomar para desincentivar o plágio dos nossos conteúdos, não é possível impedi-lo de forma absoluta, logo, torna-se necessário, estarmos atentos às atualizações que são feitas ao algoritmo do Google, e como é que estas nos podem beneficiar.

Pessoalmente, fiquei satisfeito de saber que o Google tem uma equipa de engenheiros a trabalhar continuamente no tema, de forma a minimizar o impacto que a duplicação de conteúdos poderá ter nos ranings dos criadores originais de conteúdo, e em simultâneo, a eliminar os “rapinadores” de conteúdos dos resultados das pesquisas.

5 Dicas Para Melhorar os Resultados de Campanhas de Adwords

Embora eu prefira chegar ao primeiro lugar no Google através de SEO, isso não implica que muitas outras pessoas não possam preferir pagar para lá estar. E quem sou eu para os julgar?

Até porque existem muitas situações em que o Adwords complementa o SEO, e vice-versa. Não são atividades que impeçam a outra de existir, até pelo contrário.

Principalmente e casos onde apenas uma não consegue um volume suficiente de visitas e/ou conversões, justifica-se perfeitamente utilizar as duas opções em conjunto.

Uma vez que é importante, ter pelo menos umas noções base que lhe permitam ambicionar bons resultados na sua campanha de Adwords, decidi publicar algumas dicas importantes que o podem ajudar nesse sentido.

1. Aposte em Palavras-Chave Long Tail

O termo long tail keywords, significa, (na falta de melhor tradução) palavras-chave longas, isto é, conjuntos de palavras que compõem uma expressão mais longa que 1 ou 2 palavras.

Exemplo de palavra-chave curta: pastilhas

Exemplo de palavra chave longa: pastilhas sem açucar

Repare que no caso de palavras chave curtas, e porque estas são mais genéricas, aumenta a probabilidade de estar a exibir o seu anúncio a pessoas que procuram outras coisas que não o sue produto ou serviço.

Neste exemplo, poderia muito bem haver quem estive à procura de pastilhas de travões para o seu carro, por exemplo.

2. Alargue a Escolha de Palavras-Chave

Um erro muito comum, é criar campanhas de Adwords apenas com as palavras-chave mais óbvias.

Isso é um erro que o pode prejudicar muito, pois, por um lado estas palavras-chave, por serem as mais óbvias para si, também o são para outros, logo são as mais licitadas, o que resulta num CPC (Custo Por Clique) mais alto.

Não quero dizer que não se deve apostar nessas palavras-chave, mas se alagar o seu leque de opções, sairá a ganhar por 2 motivos:

  1. não fica tão dependente apenas das palavras-chave com o preço mais alto
  2. consegue mais conversões provenientes de outras palavras-chave mais “baratas”

3. Agrupe as Palavras-Chave Correctamente

Normalmente, a tendência é criar grupos grandes de palavras-chave com vários sub-grupos todos juntos. Isto também é um grande erro!

Porquê? Porque não permite criar anúncios mais direcionados para as palavras-chave em questão.

Deve sempre agrupar as palavras chave em pequenos grupos mais restritos de forma a que os respetivos anúncios sejam mais direcionados à palavra-chave usada pelo utilizador na sua pesquisa.

Este aumentar de correlação entre ambos os elementos (palavra-chave e anúncio) aumenta a conversão, pois a comunicação é menos genérica e mais direcionada.

4. Aposte na Rede de Conteúdos

Não limite a sua campanha às pesquisas, pois poderá estar a desperdiçar a possibilidade de ter muitas conversões provenientes da rede de conteúdos.

A rede de conteúdos do Google, ao contrário do que é comum ouvir-se dizer, funciona bem. Particularmente bem se estiver a lidar com compras por impulso, onde tem um desempenho muito bom.

Em qualquer dos casos, tenha sempre o cuidade de separar os anúncios e grupos de palavras-chave de forma correta para potenciar um melhor desempenho também na rede de conteúdos.

5. Teste Várias Landing Pages

Deve sempre criar e testar várias landing pages para cada grupo de keywords, por vários motivos.

Primeiro, deve ter sempre em consideração que quanto maior for o Quality Score que o Google atribui à sua palavra chave, melhor para si.

Sobre o Quality Score falarei mais noutro artigo, mas tenha sempre em atenção que, quanto maior for o Quality Score, melhor será o potencial da sua campanha, bem como menores serão os seus custos.

Além da questão do Quality Score, deve sempre testar várias landing pages, pelo simples facto que, só desse forma conseguirá saber qual lhe proporciona mais conversões.

Mesmo que já tenha bons resultados, nada o impede de testar várias landing pages, pois poderá sempre melhorá-los.

Nota Final

Não esqueça que no Adwords, o mais difícil é o início, pois não existe histórico da campanha, logo será mais difícil para si gerir as keywords, grupos, landing pages, etc na fase inicial, e porque, por outro lado, o histórico é algo que também interfere no Quality Score. E não havendo histórico, o seu contributo para o Quality Score é também inexistente.

Uma vez que existem muitas dicas sobre este tema, se quiser partilhar comigo e com os outros leitores do blog, outras dicas práticas, deixe o seu comentário!

Como Criar Uma Página no Google+ > Passo a Passo

Há pouco tempo falei aqui no Web Marketing sobre o Google+ ter finalmente liberado as páginas para empresas, marcas ou sites, à semelhança das páginas que já existem no Facebook, e que já todos conhecemos melhor.

Por isso, resolvi agora publicar um guia prático para criação de páginas no Google+, com instruções passo a passo.

Para quem ainda não percebeu o potencial do Google+, é bom que perceba rapidamente, pois é um canal de comunicação e de divulgação que simplesmente não deve ser ignorado.

Posto isto, vamos então começar o guia.

1. URL de Criação de Páginas no Google+

À semelhança do que acontece no Facebook, o Google+ também tem um endereço específico para que se possa proceder à criação de páginas.

O primeiro passo, portanto, é fazer o login na sua conta do Google/Google+.

Depois basta ir a: http://plus.google.com/pages/create para iniciar o processo de criação da sua página no Google+.

[sws_green_box box_size="600"]Dica

Também pode encontrar este endereço no rodapé da página do Google+.[/sws_green_box]

2. Categoria da Página

Nesta página, deve escolher a categoria em que melhor se enquadra a sua empresa, marca ou site, consoante o caso.

  • Empresa ou Local Próximo – indicado para hotéis, restaurantes, empresas e serviços locais.
  • Produto ou Marca – é para isso mesmo, um produto ou uma marca.
  • Empresa, Instituição ou Entidade – Também bastante óbvio.
  • Artes, Entretenimento ou Desporto – Para filmes, TV, livros, desportos, programas, etc.
  • Outro – Basicamente esta destina-se a tudo o resto que não se enquadra nas outras categorias.

3. Nome e Atividade da Página

Após escolher a categoria a que corresponde o seu projeto, deverá escolher o nome para a sua página e indicar o endereço do site, caso tenha.

Se optar por negócio local, deve indicar o nº de telefone.

Qualquer outra categoria, excepto Outros, requer ainda que escolha uma categoria dentro da principal, que servirá para qualificar o ramo de atividade a que diz respeito.

Na opção de visibilidade da sua página, deixe ficar “Qualquer utilizador do Google+”.

Tem de aceitar os termos (naturalmente) e clicar em “Criar”.

4. Descrição e Imagem da Página

Está na altura de inserir uma breve descrição da sua página, bem como uma imagem de perfil.

[sws_green_box box_size="600"]Dica

Para que a imagem fique com bom aspeto na sua página, crie uma imagem com as seguintes dimensões: 202 pixeis de largura, por 192 pixeis de altura.[/sws_green_box]

De seguida, clique em “Terminar” para concluir a criação da sua página.

5. Ajustes Adicionais

A partir daqui a página já está criada, mas ainda pode dar mais uns retoques para que fique mais completa, o que desde logo, eu aconselho vivamente, por vários motivos que falarei noutro artigo, e por outro lado, também para ficar com melhor aspeto.

De qualquer forma, é aconselhável enriquecer a sua nova página no Google+ com alguma informação importante (mais ou menos, consoante o caso), como é a secção Sobre, Informação de Contato e o site.

6. Imagens de Topo

Pode ainda adicionar 5 imagens ao topo da sua página do Google+, dando-lhe assim um visual mais enriquecido e atraente.

Pode utilizar este espaço para colocar fotos ilustrativas do produto ou serviço, ou para passar uma ou mais mensagens, como é o caso da recém criada página do Web Marketing PT no Google+.

[sws_green_box box_size="600"]Dica

Para que as imagens fiquem com bom aspeto na página, deverá criar imagens em forma de quadrado, com as seguinte dimensões: 126px x 126px.[/sws_green_box]

7. Editor de Imagens

De referir ainda, que o Google+ dispões de um editor de imagens que lhe dá a possibilidade de manipular a qualidade e apresentação da sua imagem, controlando a luminosidade, cores, contraste, dimensões, entre outros.

É sem dúvida muito útil para dar aquele toque final às imagens, especialmente se for colocar fotografias.

Eu próprio testei e usei o editor de imagens do Google+ para dar uns toques finais, não às imagens da página do Web Marketing, pois nessas usei imagens criadas no Photoshop, mas à foto da minha página de perfil, e devo dizer que fique surpreendido pela qualidade e utilidade desta ferramenta.

Chegámos assim ao fim do guia prático para Criação de Páginas no Google+!

Espero que tenha gostado e que este guia o ajude a criar a sua página, pois como já disse, não se deve menosprezar o Google+, só porque hoje é o Facebook que reina. A verdade é que, a volatilidade da internet é de tal forma, que “amanhã” pode mudar tudo, e quem já lá estiver terá certamente uma vantagem sobre os restantes.

Aproveito para deixar o convite para seguir a (recém criada) página do Web Marketing PT no Google+.

E você, já criou a sua página no Google+?

Deixe o seu comentário sobre o que achou deste guia!