36 Regras Essenciais nas Redes Sociais – Infográfico

Estas 36 Regras das Redes Sociais é um info-gráfico muito interessante que, por um lado resume em poucas palavras, muitas das dicas que já temos vindo a publicar aqui no Web Marketing, e por outro lado, dá mais algumas dicas de cuidados que deve sempre ter na sua abordagem às redes sociais e à gestão dos seus projetos nestas redes.

Para ver o info-gráfico maior e com mais legibilidade, clique na imagem e abrirá noutra janela o info-gráfico em tamanho maior.

36 Regras das Redes Sociais

Como é fácil de ver, o info-grafico não é da minha autoria e resulta de uma compilação de dicas de vários sítios, que pode consultar no rodapé.

Caso, tenha mais alguma para acrescentar, deixe um comentário!

O Que é o Marketing Político e Como Funciona

Ao longo das últimas décadas, uma das áreas do marketing que mais alterações teve na sua genética foi, sem dúvida, o marketing político. A forma como os candidatos se posicionam perante os público-alvo, as forma de abordagem, a adaptação às novas tecnologias, enfim, todas as estratégias são hoje pensadas ao pormenor, onde o mínimo detalhe conta.

marketing-politico

A poucas dias de vivermos mais umas eleições autárquicas em Portugal, passarei de seguida em revista alguns desses detalhes, que deverão ser incluídas, ou pelo consideradas, numa estratégia de comunicação e marketing político.

– A Imagem

Que imagem o candidato quer apresentar perante o seu público? Este é o ponto de partida para tudo o resto. A partir desta resposta, uma linha de raciocínios e de estratégias se desenvolverão. A imagem de um candidato não se começa a desenhar no momento em que se candidata, ela vem do seu passado. Ainda assim é possível fazer correcções de última hora.

– A Escuta Estratégica

É necessária também fazer uma escuta estratégica. Não se pode cometer o erro de se partir para uma corrida eleitoral com base em intuições, pois podem-se planear acções sem entender devidamente o comportamento do eleitorado. Falo de analise de sentimento, dispersão, volume e alcance, por exemplo.

– A Mensagem

Que estratégia de comunicação apresentar? Que mensagem passar para o eleitorado? Aqui devem entrar os profissionais. A opção por uma estratégia de comunicação feita apenas em ideias e conceitos próprios pode falhar categoricamente na sua base. Comunicar assertivamente não é para todos. Mesmo que se conheça o território como ninguém. Assessoria de comunicação recomenda-se.

– O Conteúdo

Entramos numa área que muitas vezes pouco distingue os candidatos. Quem não quer o melhor para o seu eleitorado? Dizemos muitas vezes que dizem todos o mesmo. Seja ou não seja verdade, estudos garantem que em marketing político, a grande percentagem da influenciação não está tanto no conteúdo mas em aspectos como a empatia natural, a tonalidade da voz, na clareza do discurso ou até na criatividade.

– A Equipa

É fundamental reunir amigos e colaboradores e distribuir tarefas de acordo com as aptidões de casa um. Entre as funções fundamentais poderão estar o controlo administrativo/financeiro, a gestão de activos humanos e o controlo de informações e pesquisas de comportamento do eleitor. Um acompanhamento de profissionais de marketing pode orientar a equipa e ajustar o posicionamento nas diferentes fases de uma campanha eleitoral.

– Estratégia Online

Hoje em dia não haverá nenhum candidato que despreze os meios online. O domínio das ferramentas ao dispor das redes sociais são hoje absolutamente fundamentais para uma eleição. O Web Marketing político, se assim lhe poderemos chamar, é a força que move a maioria das campanhas. Uma espécie de alavanca que motiva reacções, comentários, interacção e até ideias, num público amplo, não restrito e até de difícil mensuração. Genericamente, é talvez, neste momento, a maior arma existente para comunicação de massas.

É necessário estar aberto ao dialogo, falando de igual para igual com a comunidade web. As redes sociais estão a contribuir para um processo de humanização da sociedade em geral e os políticos nela estão inseridos.

9 Regras de Etiqueta CRUCIAIS em Email Marketing

O Email Marketing é um das melhores formas de fidelizar clientes e leitores, e mesmo que chegue ao primeiro lugar no Google, nunca terá tanto sucesso em que mercado for, se não recorrer ao Email Marketing para rentabilizar (ainda mais) o tráfego que consegue captar. Mas aqui, tal como em outras áreas, é conveniente respeitar algumas regras de etiqueta e boas práticas para ter bons resultados.

etiqueta-email-marketing

Por isso aqui ficam 9 regras absolutamente importantes e que devem ser consideradas em todo o tipo de projetos de forma a maximizar os resultados e o retorno que se pode obter com o poder do Email Marketing:

1. Email Marketing com permissão

A primeira e a mais óbvia e uma das mais importantes de todas, é de fato, obter permissão dos seus assinantes, antes de lhes enviar seja o que for.

A permissão do destinatário, além de requerido legalmente, é algo que, se pensarmos um pouco tem um peso significativo no desempenho dos assinantes quando recebem a sua newsletter. Basta pensarmos na reação que temos quando recebemos algo que não subscrevemos e nem sequer sabemos o que é ou não nos interessa tão pouco.

A sua reação e comportamento é completamrnte diferente quando recebe um email que sabe que foi você que solicitou do que na situação oposta e isso pode fazer com que o seu email nem sequer seja lido ou aberto.

2. Não faça SPAM

Embora dolorosamente óbvio, este ponto tem sempre de ser abordado quando falamos em etiqueta em email marketing, pois é uma das essenciais regras para que as suas mensagens sejam lidas e originem atitudes ou ações eficazes.

O envio de emails não solicitados sem que o destinatário se possa exceluir da base de dados em questão, é algo sempre condenável!

3. Disponibilize saída fácil

Algo que tenho sempre defendido desde início, é disponibilizar sempre o link para saída da newsletter de forma fácil e bem visível. Eu próprio faço isso na newsletter aqui do blog e por uma razão muito simples:

Não quero manter ninguém na lista de assinantes contra a sua vontade. Tão somente por isso!

O valor dos conteúdos falam por si, e tendo isso em mente, não é necessário ter ou manter as pessoas contra a sua vontade. Até porque se não querem também não vão dar qualquer retorno no futuro por isso mais vale deixar ir, e convidar até, quem não estiver interessado, a clicar nesse link.

Pense bem, pois até é uma vantagem para todos nós que usamos serviços de email marketing, pois assim sempre são menos uns registos “mortos” que não iriam dar qualquer retorno a ociupar espaço na sua lista.

4. Mantenha a lista limpa

Entre os envios e as devoluções, haverão algumas situações que convém ter atenção e eliminar da sua lista, como é o caso dos hard bounces.

Entre os tipos de devoluções (ou newsletters que não chegam aos destinatários, e por isso são “devolvidas” pelos servidores de destino), existem os soft bounces e os hard bounces.

Des forma simples e rápida, os soft bounces são devoluções normalmente causadas por motivos temporários, isto é, caixa do destinatário cheia, impossibilidade de comunicar com o servidor de destino, etc, mas sempre motivos que se entendem como sendo de natureza temporária.

Já os hard bounces são devoluções de caracter definitivo, ou seja, quando o motivo que está na raiz da devolução tem como base algo que não irá/poderá ser resolvido ou ultrapassado no próximo envio, como é o caso de endereço errado/inexistente, entre outros.

São estas devoluções que convém limpar da sua lista de emails, para evitar ter registos a ocupar espaço desnecessariamente.

5. Crie newsletters bem formatadas

Como em tudo na internet, a fomatação é importante.

Manter o código html simples e “limpo” é algo que poderá josgar a seu fazvor nos vários tipos de leitores de emails, móveis ou não.

Não queria ter a newsletter mais complexa do mundo, pois não será isso que fará a diferença.

Por outro lado respeite as boas práticas de base do html para não cometer erros frequentes como a falta de tags Alt nas imagens, entre outras. Estes erros pagam-se muito caro!

6. Versão de texto

No seguimento das boas práticas e uso de html nas newsletters, uma excelente prática é criar sempre uma versão da newsletter em texto simples, isto é, sem HTML, para possibilitar a entrega da newsletter a todos aqueles que t|em restrições de visualização de html no seu leitor de email, ou por razões profissionais ou por qualquer outro motivo.

7. Use cores e fontes limpas e que facilitem a leitura

Com a diversidade de programas de email que existem, é sempre aconselhável tentar manter as coias simples e o mais legíveis possível.

Evite formatações complexas também ao nível de fontes, tamanhos das fontes e cores utilizadas. Criar algo simples será certamente em seu benefício e no benefício dos seus leitores, pois também facilitará a leitura dos conteúdos, ou seja é uma situação win-win, em que ambos os lados são beneficiados.

8. Seja apelativo, sem mentir

Muitas das campanhas de email entram num desespero tal para conseguir aberturas e cliques, que roçam a mentira, quando não lhe acertam em cheio.

É, outra daquelas práticas que, na minha opinião acabam por condicionar o resultado da ação ou campanha a um fracasso, pois a imagem que resultará no final será de algo falso e que visava apenas o clique. Os utilizadores de internet estão hoje muito mais informados e experientes que há alguns anos atrás quando valia “quase tudo” que ainda se conseguia resultados. Hoje já não é assim e o caminho é exatamente este!

9. Teste, teste ah e teste novamente

Se há áreas onde o test and learn (testar e aprender) se aplicar muitíssimo bem, uma delas é certamente o email marketing. Isto porque, além de haver muitas variáveis em jogo, é um meio muito próximo ao utilizador. Mais que o Facebook ou outra rede social.

Daí que, embora possam haver boas práticas, é altamente aconselhável que faça muitos testes afim de apurar o que realmente resulta no seu caso em particular, e tentar sempre melhorar o melhor resultado obtibo. Isso pode ser feito por testes A/B por exemplo, em que testa apenas uma variável de cada vez e no fim do teste usa aquele que melhor resultou e faz outro teste em cima desse para melhorar o resultado no envio seguinte e assim sucessivamente.

Conclusão

Como já disse várias vezes, o email é sem dúvida um dos melhores, senão o melhor canal de comunicação, mas para isso deve ser bem utilizado, e isso começa por perceber bem na realidade o que é email marketing, saber escolher um bom software de email marketing em português (veja o E-goi se ainda não conhece), não cometer erros graves, e fidelizar os seus clientes com email marketing, que será no fundo o grande objetivo.

Tem alguma dica a acrescentar? Deixe nos comentários!