Google Lança Webmaster Academy

A Google lançou recentemente a Google Webmaster Academy, um local de aprendizagem especialmente destinado a principiantes, mas não só para estes.
O acesso à Webmaster Academy é gratuito e não requer qualquer registo. No entanto, se estiver ligado à sua conta do Google, poderá acompanhar o seu progresso no processo de aprendizagem dos conteúdos da academia.

Já existem vários conteúdos publicados e estão organizados pelas seguintes temáticas:

  • Google & You
  • Webmaster Tools
  • Businesses
webmaster-academy

Para que possa ter uma ideia do tipo de conteúdos, estes são os temas abordados no Módulo Google & You:

  • Como funciona o Google
  • Certifique-se que o Google tem conhecimento do seu site
  • Influencie o desempenho do seu site nas pesquisas
  • Crie bom conteúdo
  • Imagens e Vídeo
  • Ligue-se ao Google+
  • Outros recursos

Embora os conteúdos não sejam ainda muitos, e especialmente destinados a pessoas que não tenham ainda muitos conhecimentos nestas matérias, não deixa de ser interessante fazer uma visita e avaliar por si mesmo. Nunca se sabe quando se aprende algo novo e útil. Veja aqui: Webmaster Academy.

Já conhecia? Achou útil?

O Que Precisa Saber Sobre a Nova Diretiva da UE Sobre Cookies

Entra hoje (26 de Maio) em vigor a nova diretiva da União Europeia que regula a utilização de cookies em todos os sites e blogs, e que a grande maior parte dos sites usam, muitos até sem saberem, principalmente no que diz respeito à utilização de plugins das redes sociais (Facebook, Twitter, etc) e na apresentação de publicidade.

Apetecia-me dizer algumas coisa sobre as mentes iluminadas que se lembraram de publicar esta directiva nestes termos, mas vou-me abster de o fazer, pois a idiotice é tal, que dispensa qualquer comentário.

No meio desta situação económica e social tão complicada e com tantos problemas tão sérios para resolver, e a União Europeia está a regular o o uso de cookies… Parece uma piada, não parece?!

Voltando ao tema, se não sabe o que são cookies, leia este excerto da Wikipedia:

[sws_yellow_box box_size="580"]Cookie (do inglês, literalmente: biscoito), testemunho de conexão, ou, simplesmente, testemunho é um grupo de dados trocados entre o navegador e o servidor de páginas, colocado num arquivo (ficheiro) de texto criado no computador do utilizador. A sua função principal é a de manter a persistência de sessões HTTP. [/sws_yellow_box]

Se quiser, pode ler mais informação sobre cookies na Wikipedia.

Falo sobre a Diretiva 2009/136/EC (link para o PDF que abre em outra janela), que, entre outras coisas no seu Artigo 5, reza assim:

[sws_yellow_box box_size="580"]Member States shall ensure that the storing of information, or the gaining of access to information already stored, in the terminal equipment of a subscriber or user is only allowed on condition that the subscriber or user concerned has given his or her consent, having been provided with clear and comprehensive information… about the purposes of the processing. [/sws_yellow_box]

Isto traduzido para português, significa que todos os sites que utilizem cookies, devem obter o consentimento do utilizador para poder recolher informação através de cookies (que é o método mais usado para recolha de informação por parte do utilizador).

Isto aplica-se quer seja para a exibição de publicidade, integração com redes sociais, ou para qualquer outro fim que recorra ao uso de cookies.

Eu diria que, quem não quer navegar na internet, então não navegue! Agora, se uma pessoa visitar 30 sites num dia (que não é muito) ter de dar autorização 30 vezes, é uma situação no mínimo…. hmmm…. deixe-me ver…. IDIOTA!

Mesmo que essa autorização se aplique apenas à primeira visita do utilizador aquele site, não deixa de ser ridículo.

Honestamente, não vejo qualquer mais valia, nem para o utilizador, nem para os sites. Até porque, se estas mentes iluminadas soubesses utilizar os seus browsers, iriam ver que conseguem configurar estas definições no próprio browser, que aí sim, do lado do próprio utilizador, faz todo o sentido. Mas enfim… se calhar só sabem clicar no “Abrir”, “Fechar” e pouco mais.

Em todo o caso, tal como em qualquer situação cada pessoa será responsável pela sua conduta, e neste caso, não me parece haver muita margem para não cumprir, embora também tenho algumas dúvidas sobre a forma como será feita a verificação desta situação.

Eu próprio terei de rever, como poderei implementar algo que torne o Web Marketing compliant com esta diretiva.

Quanto a si, e caso não esteja no Brasil :), Mocambique, ou outro país que não pertença à União dos Iluminados… arhh, perdão, à União Europeia, aconselho pelo menos a consultar a direciva e a ver o que deverá (ou não) fazer e os respetivos riscos.

Link para o PDF que abre em outra janela: Diretiva 2009/136/EC

Isto é caso para lembrar o eterno Fernando Pessa que tão caracteristicamente dizia:

[sws_green_box box_size="580"]

E esta, hein?

[/sws_green_box]

As Ações Mais Importantes no Facebook

Recentemente, falei aqui no Web Marketing do Edgenrak do Facebook, o que é o Edgerank e que elementos o compõem.

Naturalmente, e porque é uma combinação de vários fatores, existem alguns conteúdos que contribuem para que a sua página possa ter maior Edgerank, e com isso, mais visibilidade, interação, engagement, etc.

partilhar no facebook

Embora ainda seja um campo a explorar, e quer se concorde ou não com a sua existência, o fato é que parece que o Edgerank veio para ficar.

Parece-me que a necessidade da sua criação estará relacionada com o enorme crescimento do Facebook e do número de páginas, o que consequentemente, terá aumentado significativamente o volume de notícias, links, atulaizações, etc, nas páginas dos respetivos fãs, fazendo com que, algumas pudessem ficar para trás e sem visibilidade.

Na minha opinião, os grandes beneficiados são aqueles que têm a possibilidade de estar ou ter alguém que esteja muito tempo no Facebook a colocar conteúdos, que claramente não é o meu caso, nem o caso de muitos de vocês.

Seja como for, tem de se tentar tirar o máximo partido, com as condições que existem, pois elas não irão mudar por minha ou por sua causa, portanto, mãos à obra.

Uma vez que nem todos os tipos de conteúdos têm o mesmo peso em termos de Edgerank, há que aproveitar aqueles que têm mais peso para tentar maximizar a exposição da sua página.

Existem 2 métodos simples e muito eficazes que são:

1. Usar Imagens

As imagens têm mais peso que os links e que outras atualizações. Da mesma forma, agora com as páginas em layout de timeline, as imagens têm muito mais visibilidade que um link ou apenas algum texto, logo é uma atitude inteligente usar muitas imagens na sua página. Mas não abuse!

É uma daquelas situações que pode usar muito, mas sem abusar, caso contrário acaba com uma página que mais parece banda desenhada e, por outro lado, com o tempo começará a perder o efeito.

2. Obter Partilhas

Partilhas, que não é mais que o ato de um fã partilhar o seu conteúdo com os amigos dele, é o elemento que tem mais peso em termos de ações que podem ocorrer com o conteúdo que publica na sua página.

As partilhas têm mais peso que o “Gosto” ou “Curtir” e que todas as outras interações.

Por ordem de peso e importância, estas são as ações que têm mais peso:

  1. Partilha
  2. Comentário
  3. “Gosto” ou “Curtir”
  4. Clique

Por isso, muitas vezes vê-se muitas pessoas à procura de mais “Gostos” para os seu conteúdos, quando deveriam procurar mais partilhas.

O “Gosto” ou “Curtir” é importante na captação de fãs, mas não tão importante na interação com os conteúdos que publica na sua página.

Espero que estas dicas o(a) ajudem a melhorar o seu marketing no Facebook e maximizar a visibilidade da sua página do Facebook, assim como o seu potencial e o respetivo retorno.

Se tiver alguma dúvida ou sugestão, deixe um comentário!

Internet Semântica: Google Apresenta o Knowledge Graph

Com o intuito de mudar a forma como o Google nos devolve os resultados de uma pesquisa, a Google apresenta-nos o Knowledge Graph, um passo muito importante para aquilo que se prevê com sendo o futuro da internet no que respeita às pesquisas; a internet semântica.

O Knowledge Graph considera o objeto da pesquisa e estabelece correlações entre vários objetos de várias naturezas que estejam relacionados com o termo que é objeto da pesquisa, de forma a nos serem devolvidos vários tipos de resultados com o intuito de prestar um melhor serviço ao utilizador.

A ideia será tentar replicar no Google, a forma como nós humanos estabelecemos relações entre objetos e fazer refletir essas relações nos resultados das pesquisas que efetuamos.

Este vídeo ajuda a perceber melhor a abordagem da Google à internet semântica, que, embora não seja novidade, está a ser lançada agora nos Estados Unidos e será depois alargada aos restantes países.

Esta abordagem terá certamente, grandes impactos ao nível de SEO, embora ainda seja muito prematuro podermos falar sobre isso. Será algo que, futuramente,  irá “fazer correr muita tinta”.

O que acha que esta abordagem vai trazer de novo?

Google Pinguim: Impactos e Dicas

O Google lançou nova actualização do seu algoritmo de busca, agora chamado Google Penguin, com o principal intuito de penalizar sites que tenham usado métodos de optimização não aconselhados pelo Google.

Mas será que esta atualização foi implementada com sucesso?

google pinguim

Embora seja discutível, como tantas outras coisas, e cada um possa ter a sua opinião, a minha é que alguns aspectos das últimas actualizações do algoritmo do Google, não estão a ser (muito) bem implementadas, pois estão constantemente a apanhar sites que não são o pretenso alvo das actualizações, ou melhor, poderiam-se limitar mais aos sites que, de fato, são o alvo, limitando assim os seus danos colaterais, mas reconheço que, com tantas variáveis em jogo, isso poderá não ser tarefa fácil.

É claro que, temos de ter sempre em mente que, mesmo que um site não seja apanhado pela atualização, mas se outros que conduzam tráfego para esse forem apanhados e perderem rankings, então o primeiro também sofre por consequências, mas isso não é tráfego orgânico, mas sim tráfego proveniente de referências de ou outros domínios.

Mas isto é apenas a minha opinião com base no que tenho visto de sites meus e de terceiros. Você terá a sua, concerteza (e ainda bem!).

Do blog oficial do Google:

In the next few days, we’re launching an important algorithm change targeted at webspam. The change will decrease rankings for sites that we believe are violating Google’s quality guidelines. This algorithm represents another step in our efforts to reduce webspam and promote high quality content.

Mas o que é que o Google considera webspam?

Supostamente, tudo o que vai contra as Guidelines de qualidade do Google, como é o caso de práticas como o keyword stuffing, link scheems ou link wheels, cloaking, entre outras actividades que o Google desaconselha e penaliza.

Mas mais uma vez, há sites que não estavam a cometer nenhuma destas práticas e foram “apanhados” no cerco do Pinguim. Isso, eu posso afirmar com certeza, pois sei de alguns casos concretos de sites que não estão envolvidos em nenhuma prática desaconselhada pelo Google, de acordo com as suas Guidelines, e que, mesmo assim, sofreram perdas de tráfego orgânico bastante consideráveis.

Inclusive, casos em que os webmasters e bloggers, investem muito tempo, esforço e dinheiro para conseguirem aumentar as visitas do blog (ou do site), e depois são apanhados por estas atualizações que lhe reduzem consideravelmente o tráfego que tanto lhes custou a conseguir.

Para que possa ter uma ideia de alguns sites que perderam muito tráfego orgânico com esta actualização, aqui ficam alguns exemplos:

Domain SEO Visibility Difference in %
songlyrics.com

128186

-128679

-50,10

great-quotes.com

4515

-72248

-94,12

comcast.com

143032

-66286

-31,67

dslreports.com

65264

-63770

-49,42

appbrain.com

100782

-53439

-34,65

hotels-rates.com

16868

-43554

-72,08

1-love-quotes.com

30366

-42772

-58,48

tvrage.com

124821

-40846

-24,66

shoplocal.com

39654

-39966

-50,20

vzw.com

31323

-38387

-55,07

free-games.net

40883

-37542

-47,87

hotelplanner.com

8933

-33676

-79,03

consumeraffairs.com

50384

-32243

-39,02

(fonte: blogsearchmetrics)

A verdade é que estamos, cada vez mais, nas mãos destas actualizações que, são implementadas sem dó nem piedade, e se apanham alguém que não é suposto, só à posteriori é que supostamente vão rever a situação, e sabe-se lá quanto tempo é que vão demorar a fazê-lo, e qual será o desfecho. Entretanto, o site já perdeu grande parte do seu tráfego e receitas.

De qualquer forma, como é sabido, esta é uma “batalha” desequilibrada, pois o poder está todo do mesmo lado, e a única solução é “dançar ao som da dança” do Google, por isso, das várias análises que fiz, deixo-lhe 4 dicas rápidas para tentar evitar que seja “apanhado” pelo Pinguim, além de cumprir com as Guildelines do Google, claro. Ou se já foi apanhado pelo Pinguim, para tentar alterar a situação asap.

Microsites

Cuidado com a criação de micro-sites que servem apenas para criar backlinks para o seu site. Se você optou por implementar está prática, é melhor que proceda a alguns ajustes para que esta ainda seja eficaz. Nomeadamente alternar os links dos seu micro-sites com outros sites que não apenas o seu.

Redes de Blogs

Promova os seus conteúdos em redes de blogs, mas tente manter apenas as de melhor qualidade, já que muitas estão a ser penalizadas por estas últimas actualizações.

Texto Âncora

Aparentemente um dos aspectos que está a ser relevado é o peso do texto âncora no processo de optimização. Crie algumas variantes do texto âncora, sempre relacionadas com o conteúdo, mas de forma a evitar usar sempre a mesma.

Conteúdos

O Google continua a apregoar que deseja promover os conteúdos de qualidade, por isso, este é um método que vai de encontro à sua recomendação, além de que, na minha opinião, é sempre algo que deve ser equacionado em qualquer projecto.

Primeiro, espero que os seu sites não tenham sido “apanhados” pelo Pinguim, mas se foram, espero que estas dicas o(a) ajudem a ultrapassar a situação rapidamente.

Como Captar Mais Assinantes Para a Sua Newsletter (7 Dicas)

Em Email Marketing, um dos pontos mais importantes, a par de saber tratar da sua lista de emails e mantê-la “viva”, é a captação de mais assinantes para manter um bom crescimento da sua lista de emails.

Como já disse várias vezes, é muito importante saber manter a sua lista de “viva e de boa saúde”, mas isso é um tema para outro artigo. De qualquer forma, neste artigo vou deixar-lhe 7 dicas que pode implementar desde logo para captar mais assinantes para a sua newsletter.

Captar Mais Assinantes

1. Organizar um Evento

Organizar um evento, on ou off line é uma excelente forma de recolher emails.

Dependendo do tipo de evento, poderá fazer mais sentido fazê-lo no início, no decorrer ou no fim do evento, mas é uma excelente forma, não só de captar endereços de email, mas endereços de email de pessoas que estão interessadas num determinado tópico.

2. Formulários nas Redes Sociais

Embora aqui, possam haver muitas limitações, é possível através de algumas ferramentas, inserir um formulário de email dentro da sua página no Facebook, por exemplo.

Existem aplicações, que possibilitam a colocação de um formulário mesmo dentro da própria página, o que permite que o formulário ganhe exposição e capte mais assinantes.

Além da inserção do formulário em si, ou se não o puder fazer por alguma razão, isso não implica que não possa divulgar a sua newsletter nas suas páginas nas redes sociais. Até porque, com ou sem formulário, a newsletter deve ser sempre promovida. Sem exageros, claro!

3. Testar Vários Formulários

Aqui, como em muitos outros temas, o teste é absolutamente fundamental.

É claro que todos nós gostamos de formulários bonitos e com imagens bonitas, mas o mais importante não é isso. O mehor formulário é aquele que melhor converte visitantes em assinantes. O resto são pormenores.

O formulário que vê aqui no Web Marketing, é o resultado de mais de 1 ano de testes. E está quase na altura de começar a testar novamente. Se me perguntar, se era o que eu mais gostava, a resposta é “Não”, mas foi o que melhor converteu durante mais de 1 ano, e “contra fatos, não há argumentos”.

4. Página de Subscrição da Newsletter

Pode parecer que não, mas é muito importante criar uma página onde se explica melhor as vantagens de assinar a sua newsletter, além de que se pode adicionar informação sobre como esta funciona.

Se for a ver bem, a informação que se pode colocar no formulário é muito limitada, e desta forma, pode sempre adicionar mais informação útil que ajudará a aumentar as conversões.

5. Incentivo à Subscrição

Deste o dia zero que aqui no Web Marketing, existe um incentivo à subscrição da newsletter. Não é por acaso. 🙂

É que, um incentivo de subscrição da newsletter aumenta as conversões de assinantes. Pouco ou muito, depende de cada situação e de cada incentivo, mas que aumenta, é indiscutível. E sim, também já foi alvo de inúmeros testes.

Este incentivo não tem de ser algo rebuscado, até pelo contrário. Conteúdo de qualidade, funciona sempre muito bem!

6. Testar Vários Incentivos

Este ponto está praticamente explicado, mas a ideia será criar vários incentivos, e fazer testes para ver qual o incentivo que melhor converte os visitantes em assinantes.

Quando tiver resultados conclusivos, então deverá adotar o incentivo que gerou mais conversões.

Aqui poderá usar qualquer tipo de incentivo, desde um ebook, uma série de artigos, vídeos, apresentações, um acesso especial a algo, software, entre outros. O mais importante é que seja algo que os seus visitantes queriam ou tenham interesse.

7. Concursos e Passatempos

Tal como noutras vertentes, que já falei aqui no Web Marketing, a realização de passatempos ou concursos é uma excelente forma de captar mais leitores, e neste caso, assinantes.

Todos gostam de ganhar alguma coisa, ou pelo menos, da possibilidade de ganhar algo, esta abordagem tem funcionado muito bem online, seja para captar mais fãs para a sua página de Facebook, seja para captar mais assinantes para a sua newsletter.

Conclusão

A verdade é que existem muitas formas de potenciar a captação de assinantes para a sua newsletter, e estas são apenas algumas dicas. No entanto, parecem-me as mais importantes.

Espero que tenha gostado do artigo e que tenha tirado algumas ideias para captar mais assinantes para a sua newsletter.

Se tiver alguma dica que queira paratilhar com os restantes leitores, eles, certamente, ficarão agradecidos!

Como Criar um Site Grátis em HTML com o Wix

Utilizando o novo editor HTML Wix, é possível criar um site HTML grátis sem mexer em código ou programação, apenas “point and click”. Este é um guia passo-a-passo que lhe mostra como pode criar um site grátis em HTML com o editor HTML Wix.

criar site gratis

[sws_blue_box box_size="590"]Este artigo é uma review patrocinada ou resenha paga. [/sws_blue_box]

Naturalmente que, antes de criar o seu site, já deve ter definido que páginas pretende ter no seu site, bem como o conteúdo de cada uma.

Posto isto, o primeiro passo é ir ao site da Wix, e criar a sua conta de cliente. Tendo a sua conta criada, poderá começar então a criar o seu site.

1. Escolher o Template

Pode começar por escolher um dos muitos templates disponíveis como base de criação do seu site, ou então começar mesmo com uma página em branco.

Se optar pela criação a partir de um template em branco, terá de adicionar elementos à página, além da escolha da fonte, esquema de cores, já que as páginas ainda não têm conteúdo, ao contrário da utilização de um template já existente.

2. Ajustar o Visual

Através do novo editor HTML da Wix, á muito fácil desempenhar todas as tarefas que são neessárias para completar a criação do seu site.

Primeiro poderá começar por fazer pequenos ajustes ao design, caso sejam necessários, de forma a que fique ao seu gosto. Aqui pode alterar os vários elementos visuais do site. Nomeadamente, a cor de fundo (background), as restantes cores do site e as fontes utilizadas.

Estas alterações são realizadas através da opção Design que faz parte do Editor, e em apenas 3 cliques.

No caso de querer alterar o seu background:

  1. Na barra de ferramentas à esquerda, clicar no ícone de Design
  2. Em Design, clicar em Background
  3. Da janela de Background, escolher um background, e voilá.

3. Criar as Páginas

Uma vez que já tem o visual do seu site definido, deverá agora, começar a criar as várias páginas do site, de forma a que posteriormente, possa adicionar os seus conteúdos.

Para criar as páginas do site, deve usar a opção “Pages” e “Add Page” (adicionar página). Seguidamente deve definir o layout da sua página e dar-lhe o nome que pretende.

Ao completar estes passos, a nova página será adicionada ao seu site.

Poderá, posteriormente, alterar o nome da sua página ou a ordem em que as páginas são exibidas no seu site, por forma a que fique exatamente como você pretende.

4. Adicionar Conteúdos

Agora que já criou e organizou as suas páginas, está na altura de começar a adicionar os seus conteúdos às páginas.

Com o editor HTML Wix, é muito fácil adicionar qualquer tipo de conteúdo, seja ele texto, imagem ou vídeo.

No caso do texto, dispõe de um menu muito semelhante ao menu do Microsoft Word, que lhe dá todas as principais funcionalidades quando se lida com texto, forma, côr, alinhamento, etc.

No que diz respeito à inserção de imagens, o Editor permite ainda um bom nível de personalização/tratamento da imagem, de forma a que melhor se enquadre com o seu site.

Outro aspeto muito útil, é a opção de criação de Galerias de Imagens.

Esta opção permite ainda, escokher o tipo de Galeria que pretende criar; Grid, Slideshow ou Slide.

Se precisar, pode ainda colocar um link nas imagens para alguma página específica do seu site, ou até um link externo.

5. Integrar com Redes Sociais

Aqui, as opções também são muitas. Pode adicionar todos os botões das principais redes sociais (Facebook, Twitter e G+). Para que possa ter uma ideia mais concreta, as opções são:

  • “Gosto” ou “Curtir” do Facebook
  • Comentários do Facebook
  • Seguir do Twitter
  • Tweet do Twitter
  • Feed do Twitter
  • Google +1
  • Barra de Redes Sociais – Social Bar

Tal como nos pontos anteriores, aqui também, o editor HTML da Wix facilita o trabalho do utilizador, requerendo apenas alguns cliques para definir as opções de integração. Mas aqui, a Wix foi ainda mais longe e disponibiliza uma vasto leque de opções de personalização, alteração e adição de botões, permitindo assim ao utilizador, facilmente adicionar um botão do Orkut ou de outra rede social da sua preferência.

6. Criar Uma Versão Mobile

Como já tenho referido, é absolutamente crucial que tenha a preocupação de ter um site mobile, não fosse o volume de utilizadores de internet nos dispositivos móveis estar em claro crescimento.

O Wix Mobile, permite-lhe criar facilmente o seu site em formato mobile. Aqui também através de uma série de templates especialmente criados para esta função, contemplando não só o aspeto do design específico para smart phones e dispositivos móveis, como também a sua otimização para uma performance adequada a estas plataformas.

“Sites normais não são bem visualizados e convertidos para dispositivos móveis, já que funcionam de maneira diferente além de atenderem a outros propósitos. Wix Mobile lhe permite criar sites para celular a partir de nossos templates para mobile. Seu site mobile herdará o domínio e demais configurações do seu site Wix regular.”

7. Ajustes Finais

Depois de adicionar todos os seus conteúdos às páginas do site, e configurar a integração com as Redes Sociais, criar o seu site mobile, tem ainda a possibilidade de configurar mais algumas opções importantes.

Nomeadamente, o favicon do seu site (ícone que aparece na barra do browser antes do endereço do site). Não sendo algo absolutamente crucial, é, quanto a mim, um aspeto que revela maior profissionalismo na criação de um site.

O editor HTML, permite ainda a integração com o Google Maps, o que é muito útil para ilustrar a localização do seu escritório, empresa ou outro local que precise de destacar.

8. SEO – Otimização do Site

Outros aspetos dignos de menção são a integração com o Google Analytics, o que é sempre muito útil, e a vertente de SEO, que me parece ser uma supresa agradável que a Wix dê tanto destaque a este aspeto. É um claro sinal que reconhece a sua importância na criação e manutenção de um site.

Para o efeito são considerados os principais itens que compõem o SEO on-page, e que podem ser editados conforme as suas necessidades, como são as Meta Tags, Heading Tags, Otimização de imagens, Links, entre outros.

9. Publicação do Site

Feitos todos os ajustes necessários, deverá ter, nest altura, o seu site pronto para ser publicado.

Antes de o fazer, no entanto, pode (e deve) pré-visualizar o seu site para ver como ele fica no browser.

Para tal, existe uma opção “Preview” que serve exatamaente para esse propósito. Quando ativada esta opção “Preview Mode”, você poderá navegar pelo seu site, como se ele já estivesse online, o que é sempre aconselhável para poder fazer uma última verificação, antes de proceder à publicação do site propriamente dita.

Quando estiver pronto para publicar o seu site, é só clicar em “Publish” e o seu site ficará online no seu url gratuito do Wix.

Se desejar publicar o seu site num próprio domínio, poderá fazer um upgrade do seu plano para uma conta Premium e registrar o seu domínio. Este upgrade também lhe permitirá eliminar os anúncios Wix que surgem no rodapé do seu site.

Para saber mais, veja aqui: como criar um site grátis em HTML.

Se tiver alguma dúvida, é só deixar um comentário.