O Que é Email Marketing – O Verdadeiro Conceito!

Muitas pessoas pensam que o Email Marketing é uma ferramenta ou um meio de envio de emails. Na verdade, não podiam estar mais enganados. Email Marketing, é muito, mas muito mais que isso!

Já li vários artigos publicados sobre email marketing e todos eles falham – de alguma maneira – na altura de conseguir explicar o que é afinal email marketing.

Para ajudar a clarificar, vou passar a explicar o que não é email marketing:

  • não é o envio de emails para uma lista de endereços de email
  • não é o envio de publicidade por email

Isto são apenas as práticas que são executadas no âmbito da implementação de uma estratégia de Email Marketing, mas Email Marketing não é isto.

O verdadeiro conceito de Email Marketing, está relacionado com aspectos tão importantes como a criação de relações, aumento do conhecimento, proximidade, reputação, credibilidade, criação de imagem e bidireccionalidade da comunicação.

Quando pensamos em termos de promoção, crescimento e evolução de um site, blog ou negócio online, temos que considerar o email marketing como ingrediente obrigatório, para nos permitir aplicar uma série de técnicas que, por sua vez, alargam o nosso campo de acção e nos permitem concretizar uma série de objectivos, que de outra forma seriam muito mais difíceis de atingir.

Para ter uma noção mais concreta do verdadeiro potencial do Email Marketing, deixo-lhe aqui as suas principais vantagens:

Criação de Imagem e Reputação

A criação de uma imagem distinta e de uma boa reputação online é algo fundamental, para não ser visto como sendo mais um, no meio de tantos outros. Esta aposta é uma aposta cada vez mais necessária para conseguir destacar-se dos restantes concorrentes e para criar uma imagem de referência no seu nicho.

Estabelecimento de Relações Interpessoais

Criar e alimentar relações com os seus prospectos, clientes ou assinantes, é algo que o torna mais próximo deles, e que os aproxima de si. Não falo da criação de grandes amizades (o que não implica que não possa acontecer), mas no estabelecimento de relações com base em confiança e entreajuda, entre outros aspectos. Se as pessoas confiarem em si, mais facilmente seguirão uma recomendação sua, do que noutra situação qualquer. Da mesma forma, que se confiarem em si, e precisarem de um serviço ou produto que você também forneça, mais facilmente recorrem a si do que a qualquer outro fornecedor desse produto ou serviço.

Maior Proximidade

A correcta utilização do Email Marketing, permite-lhe uma relação mais próxima e bidireccionalidade na comunicação com os seus destinatários. Se é um facto que poderá utilizar outros recursos para conseguir este objectivo, também é verdade que esses outros recursos não proporcionam a mesma privacidade e confidencialidade.

Maior Conhecimento – Knowledge is Power!

Como diz aquela máxima; conhecimento é poder. Eu vou mais longe, e digo; conhecimento não é poder, mas dá-lhe poder!

Neste caso, dá-lhe um poder imenso para colher conhecimento dos seus destinatários, seja para saber a sua opinião sobre produtos ou serviços ou sobre qualquer outro tópico, pode com muita facilidade recolher conhecimento que lhe permitirá tomar decisões mais acertadas em função das opiniões recolhidas.

Exemplo: Em 2009, questionei os assinantes do blog sobre que tipo de conteúdos gostariam de ver publicados no Web Marketing PT, e em função dos resultados, decidi dedicar mais artigos e atenção para os temas que as pessoas elegeram como mais importantes para eles.

Em 2010, renovei o blog e tenho pensado em alguns conteúdos para publicar, mas decidi que fazia sentido saber a opinião dos leitores sobre as modificações que fiz no blog e sobre a natureza dos conteúdos que os leitores consideram mais importantes para si.

Não me interprete mal, eu tenho ideias muito claras sobre o que quero para o blog, mas já agora, porque não ficar a saber quais os maiores interesses dos leitores e fazer incidir mais artigos e vídeos nesses temas?

Muitas vezes as ideias que temos pré-concebidas, não passam disso mesmo, e aquilo que pensamos ser verdade e do interesse das pessoas, afinal não é bem assim e passa completamente ao lado.

O que é que eu ganhei com isto?

Em vez de publicar artigos apenas baseado no que eu pensava que poderia eventualmente interessar aos leitores, dei-lhes voz, e ouvi a sua opinião, para com base nisso, publicar mais artigos que fossem de encontro às suas necessidades e expectativas, aumentando assim o seu grau de satisfação por serem assinantes do blog.

O que é facto, é que algumas pessoas leram uns artigos ou ebooks em inglês sobre email marketing e ficaram a conhecer a conhecida expressão “The money is in the list” (o dinheiro está na lista), e então, tentam simplesmente impingir os seus conteúdos, serviços e produtos aos seus leitores ou assinantes e declaram que praticam o “Email Marketing”.

A realidade é muito diferente::

The Money is NOT in the list. It’s in the relationship you have with your list!

O verdadeiro ouro, está na relação que você tem com os seus contactos. Aí sim, está o dinheiro!

Quanto melhor for a relação que você conseguir construir com os seus destinatários, tanto maior será o seu retorno. Quanto mais confiarem em si, mais facilmente aceitarão as suas sugestões e indicações. E isto não é um mito, é um facto!

Não se deixe iludir pelos pseudo-especialistas, que se limitam a enviar emails com auto-promoções ou a promover programas de afiliados para receber as suas comissões. Esses pensam apenas em engordar a sua própria carteira, à sua custa!

Não estou a querer insinuar que só aqui encontra informação útil sobre este (ou outro) tópico, longe de mim fazer tal presunção – até porque já li bons artigos sobre email marketing em português – quero apenas alertá-lo para ser estar atento a este tipo de situações.

Moral da História

Email Marketing não se resume apenas ao envio de emails para a sua lista de clientes, prospectos ou assinantes. Nem tão pouco a promover produtos ou serviços em troca de uma comissão. O Email Marketing é a utilização do email, como canal privilegiado de comunicação, em que você pode fazer isto tudo e muito mais, mas em que deve ter sempre presente o seu verdadeiro poder – disponibilizar valor real para os seus destinatários e criar relações – para mais tarde, poder colher mais frutos desse investimento.

E você já utiliza todo o potencial do Email Marketing no seu arsenal?

Como Publicar Artigos em Directórios de Artigos – Boas Práticas

O Marketing de Artigos em português é uma prática que tem vindo a ganhar adeptos ao longo dos últimos tempos, fruto dos bons resultados obtidos com a implementação desta técnica de marketing e divulgação em directórios internacionais.

Além de ter várias vantagens associadas e de contribuir para aumentar as visitas ao seu site, o Marketing de Artigos, como qualquer outra técnica de marketing, funciona muito melhor quando você cumpre algumas regras.

Por isso, e por ser comum ver erros (alguns graves) na publicação de artigos em directórios de artigos, resolvi reunir algumas dicas práticas para que possa tirar mais e melhor partido do Marketing de Artigos.

1. Cumpra as Regras

A verdade é que a maior parte das pessoas não se dá ao trabalho de ler as regras de submissão de artigos nos directórios de artigos.

Os directórios tem regras comuns, mas tem algumas regras próprias, e o pior que se pode fazer, é não as ler, nem que seja uma vez. O que acontece é que, ao não as ler, elas não serão cumpridas, e muitas vezes os artigos nem sequer são aprovados. Logo, corre o risco de não ter os seus artigos publicados.

2. Seja Apelativo

Na criação do seu artigo e do respectivo título, seja apelativo e utilize linguagem capaz de captar a atenção do leitor.

Desperte o interesse das pessoas em ler mais, através da utilização de linguagem que chame a sua atenção, e as deixe curiosas em ler mais, sem entrar em exageros desnecessários.

3. Corresponda ás Expectativas

Como já mencionei aqui no blog no artigo sobre como escrever artigos optimizados para captar mais visitas, não devemos criar falsas expectativas nas pessoas, sob pena de as deixarmos ficar mal e sermos penalizados por isso.

4. Publicidade Directa Nunca

Nunca utilize um artigo para escrever publicidade directa sobre o seu site, ou os seus produtos ou serviços.

As pessoas quando estão a ler artigos, não querem consumir publicidade. Elas procuram conhecimento sobre um determinado tema e se a única coisa que encontram é publicidade sobre alguma coisa, muito provavelmente nem sequer acabarão de ler o artigo.

5. Crie Valor Acrescentado

Escreva artigos que contenham real valor para quem os lê, e que lhes transmita conhecimento sobre o tópico em questão.

Como disse no ponto anterior, as pessoas ao lerem artigos, procuram conhecimento sobre algo. Se você transmitir conhecimento nos seus artigos, quem os ler, não só vai ficar satisfeito por ter encontrado um artigo útil, como vai ficar curioso de saber mais sobre esse tema e sobre quem o escreveu. Nesse caso será meio caminho andado para a pessoa clicar no link para o seu site, ou para o site cujo url você adicionou no artigo ou na secção “Sobre o Autor”.

6. Crie um “Sobre o Autor” Inteligente

Alguns directórios de artigos permitem a inclusão de links no corpo do artigo, outros não.

Seja em que situação for, é fundamental saber criar uma caixa “Sobre o Autor” que tenha os pontos fundamentais e que deixem o leitor com vontade de clicar e saber mais.

Entres estes pontos, destacam-se os seguintes;

  • o nome do autor do artigo, o que faz esse autor (dono do blog … com o respectivo link)
  • algo que contextualize o artigo dentro do tópico em questão (saber como … é das coisas mais importantes quando se trata de ….)
  • e um call to action, tipo “para saber mais sobre … clique aqui”, ou “veja toda a informação sobre … no blog ….” com o respectivo link

Conclusão

Se ainda não utiliza o Marketing de Artigos para aumentar as visitas ao seu site ou blog, está a desperdiçar recursos bons e gratuitos que têm muitas vantagens associadas.

Além do que já disse, acho importante reforçar esta ideia: informe-se sempre junto de cada directório de artigos das suas regras, e cumpra-as, sempre!

Só assim poderá desfrutar dos benefícios que o Marketing de Artigos lhe poderá trazer a si e ao seu site.

NOVOS Domínios .CO Já Disponíveis

Os domínios .co já estão disponíveis, mas apenas através de alguns registrars.

Até há pouco tempo só era possível efectuar o pré-registo dos domínios com a extensão .co, mas a partir de agora, já vão estar disponíveis para registo por qualquer pessoa.

O registo de domínios .co tem algumas vantagens, pois permite-lhe aceder a domínios premium com um custo muito aceitável.

Quando escrevi este artigo, apenas alguns registrars (julgo que 3) têm estes domínios disponíveis para registo, entre os quais a GoDaddy.

A principal vantagem destes domínios, é que lhe permite conseguir o domínio que sempre quis e não conseguiu até agora, por já ter sido registado por outra pessoa.

Eu próprio já registei 2 domínios .co.

Quanto ao preço destes domínios, é um pouco mais caro que os .com, .net e .org, mas também tem uma disponibilidade muito maior que estes. O valor do registo de um domínio .co é de $29,99 USD.

A sua maior disponibilidade compensa o facto de ser mais caro que os .com, mas também depende muito do tipo de projectos que poderão ser equacionados para o seu registo.

Mas por exemplo, domínios apenas com uma palavra, podem ainda estar disponíveis se for um .co, enquanto que se for um .com, .net ou .org, certamente está ocupado, e os que estão à venda, são caríssimos.

Aproveite já para garantir o seu domínio premium preferido, fazendo o registo através da GoDaddy.

Boa sorte!

A Publicidade no Facebook Resulta? – Case Study

Tenho lido bastante sobre publicidade no Facebook e como se poderá tirar vantagens desse meio em termos de publicidade, dadas as vantagens de segmentação que o Facebook permite.

Alguns artigos falam mesmo da substituição da publicidade do Google Adwords a favor do Facebook, devido aos altos (e crescentes) custos por clique cobrados pelo Google, por isso resolvi fazer um teste e partilho aqui consigo os resultados.

campanha no facebook

(Se clicar nas imagens, pode visualizar melhor os dados – abrem outra janela)

Neste meu teste, criei uma campanha que teve a duração de cerca de 5 dias, para promover (como afiliado) um produto de emagrecimento/perda de peso, especialmente destinado a mulheres.

Aproveitando as possibilidades de segmentação que o Facebook disponibiliza, a campanha foi direccionada a mulheres, entre os 30 e os 50 anos de idade, residentes nos Estados Unidos e com interesses relacionados com o verão, uma vez que o copy (ou texto) da campanha incidia neste tópico em particular.

Devo dizer que não fiquei fascinado com os resultados, e embora hajam muitas variantes que podem e têm impacto numa campanha, também para não limitar os meus resultados, criei 3 anúncios diferentes e testei-os em simultâneo.

Um dos anúncios teve poucas impressões, pois esteve menos tempo online devido a alterações e revisões. Os outros 2 anúncios tiveram uma visibilidade muito interessante – cerca de 56.000 e 46.000 impressões – o que resultou num CPM muito bom (CPM = custo por mil impressões), dado o target em questão – $0,15 e $0,18.

campanha facebook anuncios

No que diz respeito ao CPC (custo por clique), já as coisas não são assim tão interessantes, pois, mesmo tratando-se de um target com muita procura, um CPC final de $0,68 já não é uma pérola.

Curiosamente, o Facebook ainda me sugeria um CPC mais alto – entre $1,11 e $1,61 – o que eu achei absurdo, mas considerando o target ser muito concorrido, poderá fazer algum sentido.

campanha facebook settings

O CTR (Click Through Rate ou taxa de cliques) não foi nada de assinalável (0,024%) e poderia ainda ser melhorado, mas para um teste, e comparando com algumas experiências que tenho visto, também não foi nada mau.

É claro que, as campanhas podem ter os mais variados fins, e creio que, o seu desempenho, dependerá muito de todos os factores relacionados com a comunicação, tal com em qualquer outro meio, mas muito especialmente, se esta for bem dirigida a um target específico que, teoricamente, tenha uma boa aderência ao produto ou serviço em questão.

Outro aspecto que me parece importante, embora não o tenha testado (ainda), é o facto da campanha apontar para dentro ou fora do Facebook. Com isto quero dizer que, creio ser uma excelente forma de, por exemplo, angariar fãs para uma página específica.

Deste teste que fiz, achei as condições do Facebook bem melhores que as do Google Adwords em termos de CPC, pois o mercado do emagrecimento/perda de peso é só dos mais concorridos nos EUA, mas ainda assim, não me parece uma galinha de ovos de ouro.

No entanto, é importante referir que esta campanha destinou-se a um target nos EUA, não de Portugal ou Brasil, pelo que nesses mercados, pode ter desempenhos mais interessantes, devido a não ser um mercado tão saturado como o americano.

Você já experimentou anunciar no Facebook?

Como foram os seus resultados?

Google Baniu o Seu Próprio Site!

Parece uma história mal contada ou uma anedota, mas não, é mesmo verdade!

O Google baniu o seu próprio site dos resultados das pesquisas devido à utilização de uma técnica considerada Black Hat, o cloaking.

O que é cloaking?

Segundo as próprias guidelines do Google, cloaking refere-se à prática de apresentação de conteúdos ou url’s diferentes aos utilizadores e aos motores de busca. Isto é, consoante o site está a ser visitado por um utilizador humano ou por um bot de um motor de busca, o site apresentar conteúdos ou páginas diferentes.

Por incrível que possa parecer, o Google baniu algumas das suas páginas do help center do Google Adwords.

Uma pessoa do site Search Engine Land, onde foi publicada esta notícia, questionou um representante do Google sobre esta situação, e eis a resposta:

“I can confirm that some Google support pages were inadvertently showing different content to the Google crawler than to users. This error has since been fixed. We will investigate how this happened and make sure that we take appropriate action.”

Infelizmente, o Google vem mostrando que, não só tem dificuldade em gerir muitas situações, como não se digna a cumprir as suas próprias regras, tanto no que respeita ao SEO, como no que diz respeito à praticas relacionadas com os seus regulamentos e à forma de tratar os utilizadores.

Para mim, isto apenas vem provar o excesso de automatismos que o Google quer implemtar, bem como a manifesta falta de capacidade de gerir situações que não sejam o resultado de práticas menos aconselhadas.

Como dizia o ilustre Fernando Pessa:

E esta, hein?

Quota de Mercado do Google

Quota de Mercado do Google no Mundo

É curioso ver a quota de mercado do Google nos vários países, pois fica-se com uma ideia de como o Google está posicionado nas diferentes culturas e continentes.

Existem alguns dados curiosos nesta análise que vale a pena ver e ficar a conhecer.

Quota de Mercado do Google

Fonte: Search Engine Feng Shui

Um dos aspectos que me saltou mais à vista foi o facto do Google ter uma quota de mercado mais baixa onde ele é originário (Estados Unidos). Aí tem apenas cerca de 60%, o que reflecte a importância que os seus concorrentes (Yahoo e Bing) continuam a ter neste mercado.

Outro aspecto curioso é o facto da penetração na América do Sul ser apenas de 60% (mais ou menos), pois são mercados que importam muitos aspectos culturais dos Estados Unidos.

Já não me espanta tanto a ainda mais baixa penetração em mercados da Ásia, pois são mercados mais fechados ao Ocidente, com uma nota especial para a Coreia do Sul, onde a penetração do Google é apenas de 7,3%.

Quanto à China, depois de tanta polémica, ainda consegue cerca de 20%, sendo que parece que chegaram novamente a acordo e que o Google vai reabrir ou já reabriu no mercado chinês. parece-me um daqueles acordos “por debaixo da mesa”…

De notar também a altíssima quota de mercado que o Google tem na Europa, com países como a Eslováquia com uma quota de 99%.

Portugal não foi contemplado nesta análise, mas eu diria que a quota de mercado do Google em Portugal deverá andar muito próxima da quota em Espanha (94%).

Seja como for, este mapa sempre nos permite ter uma melhor noção da presença do gigante Google nos vários mercados.

Ficou surpreendido com algum destes dados?

Como Fidelizar os Seus Clientes – Plano de Marketing Digital

Para concluirmos o Plano de Marketing Digital, não o poderíamos fazer sem levar em consideração a fidelização dos clientes já “em carteira”.

Saber fidelizar os seus clientes ou subscritores, é um aspecto fundamental para continuar o seu crescimento e garantir a evolução positiva do seu site e do seu negócio.

Segundo a lógica que estabeleci nos artigos anteriores, em que comecei por definir os objectivos do Plano de Marketing Digital, depois analisar o nicho de mercado em questão, consequentemente é absolutamente fundamental analisar a sua concorrência, de forma, a permitir-lhe elaborar uma abordagem capaz de ultrapassar a sua concorrência e ser bem sucedido na captação de novos clientes ou subscritores, consoante o caso, se eu parasse por aqui, seria como morrer na praia (como se costuma dizer).

Mesmo que torne a sua oferta irresistível, nunca se deve limitar apenas à angariação de novos clientes ou subscritores, por diversas razões. Muitas dessas razões, já as abordei neste artigo em que falo sobre como fidelizar clientes.

O importante que se deve reter é que entre outros motivos, um cliente fidelizado, vale muito dinheiro, directa e indirectamente.

Senão vejamos:

  • mais de 80% das pessoas que compram algo na internet pesquisam primeiro (na internet)
    informação sobre esse produto ou serviço (na internet, claro)
  • se a informação que encontrarem na internet sobre esse tópico for favorável, a probabilidade de compra aumenta exponencialmente
  • como é sabido, as pessoas gostam de partilhar experiências (positivas e negativas), e actualmente essa partilha de informação é feita muito na internet
  • se um cliente partilhar pessoalmente uma experiência com os seus amigos, partilha-a com 20 ou 30 pessoas, se o fizer na internet, essa experiência é partilhada com milhares de utilizadores, logo, o impacto desta partilha online é incomparavelmente superior
  • se um cliente seu for alvo de uma experiência negativa, desde que tenha uma razão no seu ponto de vista (claro), e decidir partilhar essa informação na internet, a probabilidade de outros utilizadores que procuram esses serviços ou produtos recorrerem a si é mínima
  • vários estudos revelam que as pessoas acreditam mais no que lêem na internet mesmo que escrito por outros utilizadores que não conhecem pessoalmente, do que na publicidade que vêem na televisão
  • como se os pontos anteriores não fossem suficientes, a aquisição de um cliente novo, custa em média 5 vezes mais que manter um clientes actual

Por este motivos e outros tantos que referi no artigo sobre fidelização de clientes, é fundamental olhar para os seus clientes e subscritores de uma forma diferente.

Os clientes já não são apenas números, embora para mim, nunca tenham sido, mas a realidade é que muitas pessoas e empresas ainda não perceberam algo tão óbvio quanto isso. E expõem-se a perdas de valor considerável porque simplesmente não vêem o que está à frente dos seus olhos.

Em tom de complemento do que já disse sobre este tema, quero acrescentar algumas dicas curtas que eu considero essenciais para manter uma boa relação com os seus clientes e/ou subscritores:

1. Tenha Visão de Futuro

Não pense apenas em fazer números imediatamente. Tenha visão de futuro e saiba semear hoje para colher amanhã. Invista no presente, na relação que pode ter com as pessoas, elas retribuirão de forma natural.

2. Saiba Falar Com os Seus Clientes

Manter contacto com os seus clientes, não significa chatear as pessoas com comunicações fúteis, mas sim, manter um contacto contextualizado com a realidade de cada cliente. Os clientes não são todos iguais, nem têm todos as mesmas necessidades.

3. Não Tente Adivinhar o Que as Pessoas Querem

Esta é clássica, mas a realidade é que muita gente ainda acha que sabe o que as pessoas querem. Não podiam estar mais enganados. De que vale tentar impingir certos produtos ou serviços, quando na realidade, as pessoas procuram coisas diferentes.

Além disso, a internet disponibiliza-lhe ferramentas que pode utilizar com muita facilidade para saber a opinião dos seu clientes sobre um determinado assunto. Recorrer à utilização destas ferramentas é uma abordagem inteligente, pois permite-lhe saber exactamente qual a opinião dos seus clientes, em vez de tentar adivinhar. Veja o exemplo da SurveyMonkey, que utilizei recentemente para colocar algumas questões aos assinantes aqui do Web Marketing PT.

4. Mantenha o Contacto Com os Seus Clientes

Já disse que deve saber falar com os seus clientes, mas deve também manter com eles um contacto frequente – em que a frequência está, naturalmente, dependente de inúmeros factores – e ao nível da internet ainda é mais fácil e acessível. Se até há uns tempos atrás era preciso gastar umas boas centenas ou milhares de euros para comunicar com os seus clientes, agora tudo é muito mais fácil.

Veja o exemplo das ferramentas de email marketing como a Aweber, que é a que eu utilizo aqui no blog, bem como noutros projectos. Por apenas $19 por mês, eu posso comunicar com todas ou algumas pessoas das minhas listas de contactos sempre que quiser ou achar conveniente. Sobre este assunto irei desenvolver outros artigos brevemente.

5. Não Trate os Clientes Como Clientes

Parece um disparate, mas tem lógica.

Se você tratar os seus clientes como meros clientes, eles não sentirão nenhuma lealdade para consigo, tão pouco sentirão que têm algum tipo de relação que não seja uma relação puramente comercial. Se, por outro lado, souber desenvolver uma relação com eles, e os encarar como parceiros, porque na realidade é isso que eles são – seus parceiros de negócio – verá que consegue ter resultados muito melhores.

Mais, se você se colocar no lugar de cliente, que também o será muitas vezes concerteza, verá com maior clareza, que também gosta de ser bem tratado, que tenham consideração por si enquanto indivíduo e que levem em conta a sua opinião, certo? Pois com os seus clientes passa-se exactamente o mesmo.

Todos estes aspectos são fundamentais para que consiga manter um bom relacionamento com os seu clientes ou subscritores, e com isso, receber boas referências, garantir uma posição de preferência em negócios futuros, fazer mais negócios, etc.

Qualquer Plano de Marketing Digital (ou não digital), tem necessariamente de levar em conta estes aspectos para se tornar completo, caso contrário, dificilmente conseguirá maximizar o potencial de negócio, ou até mesmo, manter uma relação mais próxima com os seus assinantes.

Este foi o último artigo da série Plano de Marketing Digital.

Espero que tenha gostado desta série de artigos, e que deixe o seu comentário!

Balanço 1º Semestre 2010

No início de 2010 tracei um plano para este ano e como estamos algures pelo meio do ano, é uma altura propícia para fazer um ponto de situação e um balanço do ano.

Confesso que o ano não está a correr como pensava, e que já fui fazendo alguns ajustes ao longo deste primeiro semestre que já começaram a produzir efeitos.

Considero o meio do ano uma boa altura para fazer um balanço, porque se detectar situações que necessitem alterações ainda vou a tempo de o fazer para terem efeitos ainda este ano.

Alguns planos estão a correr menos bem, como é o caso das receitas provenientes de projectos “Set it and Forget it”.

Projectos “Set it and Forget it”, são aqueles que só dão trabalho na fase inicial e que geram um determinado rendimento residual sem que, para isso, necessitem da minha contínua intervenção.

Por outro lado, já alarguei a minha esfera de actuação para outras áreas de negócios, e agora entrei com maior força no e-commerce com produtos físicos em mercados estrangeiros.

Entretanto contratei mais pessoas em regime de outsourcing, 2 em part-time e uma pessoa a full-time.

Infelizmente, e porque cheguei à conclusão que, embora em Portugal a taxa de desemprego esteja altíssima, não há muita gente a querer trabalhar, tive que recorrer a mercados estrangeiros. Com alguma pena minha, confesso, porque só consegui ter um destes lugares ocupado por uma pessoa em Portugal, mas enfim. Temos que saber viver com estas adversidades.

Outra boa notícia, é que estou a lançar os meus serviços de consultoria como especialista em SEO – Optimização de Sites e Web Marketing, e já tenho alguns clientes.

Decidi lançar os meus serviços apenas em regime de parceria fechada numa primeira fase, para ver como corre, e depois logo vejo qual a melhor forma de continuar.

Este ano antecipou a abertura de outras portas. Como se costuma dizer:

Quando se fecha uma porta, abre-se outra.

E é o que tem acontecido comigo este ano.

E você, já fez o seu balanço de meio do ano?

Como é que está a correr o seu 2010?