Aplicação Controla Se e Quando o Seu Site Está Offline

Numa era em que a disponibilidade do site assume contornos cada vez mais importantes, até mesmo em termos de contribuição para conseguir bons rankings no Google, utilizar uma ferramenta que o ajude a controlar esse aspeto de forma automática, é, sem dúvida, uma atitude inteligente.

Embora a disponibilidade do seu site seja um dos muitos, não deixa de ser um fator que o pode impedir de chegar ao primeiro lugar no Google, ou pelo menos a lugares cimeiros.

uptime-robot

Existem várias aplicações que o podem auxiliar a controlar a disponibilidade ou uptime do seu site de forma automática, uma delas é o Uptime Robot.

O que é o Uptime Robot

O Uptime Robot é uma aplicação muito simples e intuitiva, (e também por isso optei por falar sobre ela), que faz um controlo periódico do estado de disponibilidade do seu site e que lhe permite de forma rápida e gratuita, ser avisado cada vez que o seu site ficar offline ou indisponível.

Como funciona o Uptime Robot

O Uptime Robot, como disse, monitoriza o seu site de 5 em 5 minutos, a ver se deteta erros (páginas com erros 400 ou 500), e caso encontre, para ter a certeza que não é algo apenas momentâneo, faz mais algumas verificações, nos 3 minutos seguintes. Se se confirmar que o site está a dar erro, então envia-lhe um alerta para o destino que você configurou.

Pode receber os alertas por email, sms, através do Twitter ou por notificações push no seu iPhone, o que é excelente!

Configuração de Alertas de Downtime

É ótimo para qualquer situação, mas em particular, em situações como a de uma cliente que utilizava um fornecedor de alojamento que garantia 99% de uptime, e na realidade o site dela estava imenso tempo offline, o que, como sabemos, resulta em perdas graves tanto em termos de negócio, como em termos de rankings no Google.

Monitorização de Downtime

Para comecar a usar o Uptime Robot, é muito fácil. Basta registar-se (é grátis), inserir o seu, ou seus sites, que pretende que o Uptime Robot faça a monitorização, e escolher qual a forma como pretende ser avisado em caso do site ficar indisponível.

Sim, é só isto 🙂

Visite o site do Uptime Robot aqui.

Eu uso há já algum tempo e gosto bastante.

Já conhecia? Utiliza algum serviço deste género?

O Melhor do Web Marketing em 2011: Email Marketing e Google

Este é o último artigo da série de compilações dos melhores artigos de 2011, e focam 2 temas muito pertinentes e atuais; Email Marketing e Google.

Como já disse várias, com tantas mudanças ao nível do algoritmo do Google (Google Panda), 2011 foi um ano em que muito mudou.

O melhor de 2011: Email Marketing e Google

Abordei também, creio que o primeiro artigo com dicas para melhorar as campanhas de Adwords aqui no blog e parece-me que teve boa aceitação, pelo que poderá ser um tema a abordar no futuro.

O Email Marketing foi um dos principais focos do workshop que fiz recentemente, no Creative Learning Lisbon 2011, não fosse este um dos tópicos onde há muito para a aprender em termos de boas práticas e enquadramento num plano de marketing digital.

Email Marketing

Google

 

Espero que goste desta compilação de artigos! Eu gostei de os reunir para si.

Se tiver alguma sugestão de algum tema que queira ver abordado aqui no Web Marketing, deixe um comentário! São sempre bem-vindos!

De Banido Ao Topo do Google Em Apenas 12 Dias – Case Study

Depois de sofrer um ataque, este site não só conseguiu sobreviver ao Google Panda, como recuperou rankings de topo no Google.

Ele é a “prova viva” de como um trabalho de SEO e usabilidade bem feito dá os seus frutos. Neste caso até mais cedo do que o que eu pensei inicialmente. Um caso de sucesso muito interessante!

2011 foi um ano que ficou marcado pelos sucessivos “ataques implacáveis do Panda”.

Na procura de “limpar” as SERP’s em vários aspectos, como os sites MFA (made for adsense), entre outros, e com o objectivo de melhorar a experiência do utilizador, o Google afinou o algoritmo que organiza a apresentação dos resultados das pesquisas.

Estas afinações fizeram com que muitos sites fossem “apanhados na malha”, mesmo que não se enquadrassem em nenhuma das “categorias” visadas.

No entanto, o simples fato de terem aspectos comuns com a tipologia de sites que eram o alvo do Panda, fez com que estes sites fossem igualmente prejudicados nos seus rankings, ou até banidos dos resultados do Google, como é o caso que hoje partilho convosco.

Naturalmente, por motivos relacionados com a privacidade do cliente, não vou poder revelar alguma informação como url’s, keywords, etc, e por esse motivo, agradeço a sua compreensão.

No entanto, penso que poderá muito educativo, uma vez que complementa os artigos que já aqui publiquei sobre como sobreviver ao Google Panda.

O site em causa está inserido no mercado brasileiro e no nicho financeiro.

Embora este fato pudesse ser uma contribuição importante, caso o site fosse português, dada a situação ridícula que o país atravessa, no caso do Brasil, essa questão já não se coloca, pois o crescimento da economia brasileira tem sido uma constante nos últimos anos.

Assim reza a história:

Um cliente que me tinha contratado o ano passado para efeitos de consultoria, numa primeira fase apenas para reformular o seu site, que tinha bastantes problemas, depois acabou por ficar com uma avença para implementar outros melhoramentos quer a nível de optimização do próprio site, quer a nível de captação de mais visitas.

Então, estava eu ainda a desenvolver o novo site, quando o site actual do cliente fez “Puff” e desapareceu das páginas do Google.

Eis um excerto do email que recebi do cliente:

Nele podemos ver a data em que o email foi enviado (16 de Outubro de 2011), e esta foi a minha resposta:

Imaginem o pânico, de ficarem de um momento para outro, sem tráfego do Google. E foi assim mesmo que o cliente ficou, em pânico.

Como eu estava plenamente confiante que o trabalho que estava a fazer iria eliminar qualquer questão que pudesse colocar o seu site nas malhas do Panda, não me preocupei em demasia, a não ser pelo cliente que estava (super) ansioso que o problema estivesse resolvido, o que é perfeitamente compreensível.

Poucos dias depois, por volta de 24 de Outubro, coloquei então online o novo site do cliente, e cerca de 12 dias, os resultados apareceram de forma natural, sem ser necessário qualquer outro tipo de intervenção ou recorrer a métodos “alternativos” e menos aconselháveis.

Aliás, os resultados não só apareceram, como no mês seguinte ainda ficaram melhores, que era algo que eu não esperava num período tão curto de tempo, como se pode ver pelas estatísticas (o cliente não tinha o Analytics configurado, foi algo que tratei mais tarde).

Veja a redução no mês de Outubro e o crescimento em Novembro e Dezembro, onde até chega quase ao dobro das visitas máximas que tinha tido até então.

Naturalmente que com o tempo, até espero resultados melhores, mas o que até a mim me deixou surpreendido, foi o curto espaço de tempo em que o site recuperou os seus rankings, inclusive com algumas melhorias.

Aqui está um excerto dos emails que trocámos dia 5 de Novembro:

Fazendo um resumo da minha intervenção no novo site, e para que possa ficar com uma ideia de como este trabalho é fundamental, eis as tarefas que implementei:

  • análise do nicho que o site se insere (concorrência, volumes, etc)
  • análise de palavras-chave (de forma a conseguir escolher as melhores palavras-chave para o site em questão)
  • reestruturação TOTAL do site:
  • criando uma nova e mais organizada organização dos conteúdos
  • novo layout, mais clean e com melhor legibilidade
  • melhorias muito grandes ao nível da navegação
  • redução e reposicionamento da publicidade
  • criação de novas áreas no site para aumentar destaque a aspectos importantes para os possíveis clientes (identidade, garantias, etc)
  • Criação de novas páginas e novos conteúdos
  • Otimização on-page de todas as páginas do site para as keywords seleccionadas
  • Criação de um sitemap.xml e do novo mapa do site
  • Submissão do site ao Google Webmaster Tools e respectiva análise
  • Criação de um plano de marketing digital para implementação progressiva nos meses seguintes

Naturalmente que há muito a dizer sobre cada um destes pontos, uns mais que outros, mas se o fizesse aqui, nunca mais acabava o artigo 🙂

De qualquer forma, esse não é o objetivo principal deste artigo. O objetivo principal é, entre outros, aumentar a consciência para a importância de implementar um trabalho de qualidade, assente em conhecimentos válidos e sólidos, que permita, não apenas ultrapassar obstáculos a curto prazo, mas também a implementação de um plano válido que potencie o crescimento do site de forma progressiva e sustentada.

Para terminar, gostaria de (re)lembrar que não existem comprimidos mágicos para resolver problemas destes, ou para chegar ao primeiro lugar do Google em 5 minutos.

A solução é trabalho com qualidade empenho e continuidade.

Uns dias antes ainda recebi este email do cliente sem o ter solicitado:

Se quiser, informe-se aqui sobre os meus serviços de consultoria.

Considerando as limitações de partilha da informação, espero que ainda assim tenha gostado!

NOTA:

Eu trabalho com um número muito limitado de clientes ao mesmo tempo, de forma a conseguir assegurar a qualidade que eu me exigo a mim próprio e que garanto aos meus clientes e por isso o nº de vagas é sempre muito limitado.

Até ao fim deste mês só tenho uma vaga aberta, e para Fevereiro já tenho alguns lugares preenchidos.

Sopa: EUA Querem Lei De Censura Para A Internet

Nunca é tarde para descobrirmos que afinal não evoluímos muito mais que os macacos, de quem supostamente, derivámos há muitos anos.

Agora é a vez de mais algumas mentes iluminadas (parece que estão na moda), se lembrarem de querem fazer passar uma lei que implementa a censura na Internet.

Isso mesmo, Censura na Internet!

Censura na Internet

Enfim, não é de admirar, já que aparentemente, agora temos os nossos destinos políticos entregues a estas “pessoas”.

Este não é um sítio para se falar de política e por isso, não me vou alargar neste tema, mas; Censura na Internet?

Tenham dó…

Parece que a História não lhes ensinou absolutamente nada.

Então a ideia será, dia 24 de Janeiro, fazer passar uma lei (SOPA), em que se pretende implementar um sistema de censura, através da criação de uma blacklist de sites, naturalmente escolhidos por outras mentes iluminadas, de forma a que esses ficassem inacessíveis ao público nos EUA.

Embora, nesta fase se esteja a falar de uma (possível) lei apenas aplicável aos EUA, o que me preocupa é, caso ela seja aprovada, o que poderá vir a seguir.

Até porque nós portugueses (e creio que os brasileiros também) gostamos muito de importar as modas dos EUA, sejam boas ou más, e havendo uma referência desta natureza, conhecendo os serviços públicos portugueses como eu conheço, seria algo que facilmente seria copiado e mal implementado em Portugal, tal como tantas outras coisas.

Não vou fazer futurologia, e dizer algo como “pode ser o fim da Internet, tal como a conhecemos”, mas de alguma forma, se pensarmos um pouco no que poderia derivar daqui, caso a lei seja aprovada, poderemos não estar muito longe de um cenário destes.

Contra a Censura

Logicamente, o movimento contra este dejeto de lei, hmmm, peço desculpa, projeto de lei, que pode ver aqui, já reune milhares de apoiantes, entre eles, algumas das maiores empresas do mundo virtual, como é o caso da Google, Reddit, Facebook, Twitter, Wikipedia, entre muitas outras.

Veja o vídeo:

Como ação de protesto contra esta lei, milhares de sites auto-colocaram-se offline ou com os conteúdos indisponíveis durante todo o dia de 18 de Janeiro.

Mesmo nós não sendo utilizadores dos EUA, poderemos vir a ser indiretamente ou diretamente afetados com esta lei, e por isso, caso queira, pode juntar-se ao protesto aqui:

http://americancensorship.org/modal/state-dept-petition/index.html

Não custa nada, é só inserir o email e já está! Eu já o fiz!

Contra a SOPA e a Censura!

3 Respostas Que Qualquer Site Deve Dar Em 30 Segundos

Em qualquer site de qualquer natureza, existem 3 questões que são absolutamente cruciais que sejam respondidas nos primeiros momentos de contato com os visitantes, sob pena de não se tirar partido do potencial das visitas que esse site recebe.

Ainda hoje, é comum encontrarmos sites que foram feitos sem qualquer cuidado com a forma como a informação é prestada a quem o visita e isso tem o seu preço!

Esta falta de cuidado, leva a situações em que seja necessário mais tempo e um esforço acrescido de navegação dentro do próprio site para se tentar compreender, se é exactamente o que se procura, o que torna a experiência do utilizador mais difícil e contribui para o abandono prematuro do site.

Imagine que precisa de ir para um determinado destino e consulta 2 mapas; um deles cheio de encruzilhadas, e outro apenas com um ou dois caminhos opcionais para o seu destino. Aqui a situação é muito semelhante.

Considerando estes elementos, é absolutamente crucial que qualquer site responda a 3 questões nos primeiros segundos da visita, de forma a maximizar o retorno e aproveitamento do potencial das suas visitas.

1. O Quê

Talvez a mais óbvia, mas ainda assim nem sempre devidamente cuidada, é o “O Quê”.

O que é que trata o site?, O que é que tem para oferecer ao seu visitante? Que informação/serviços/produtos disponibiliza?

Não só, por vezes se encontram sites que usam uma linguagem complexa para o utilizador comum, mas nem sempre a mensagem é absolutamente clara sobre em que termos essa informação, serviços ou produtos são disponibilizados.

Quanto mais clara for a forma como esta informação é disponibilizada ao visitante, melhor, pois mais cedo o utilizador será capaz de aferir que está onde quer estar, ou se foi para aí por engano.

Aqui, naturalmente o SEO assume um papel muito importante, na forma da correta optimização do site para captar as visitas de utilizadores que estão interessadas no que o site tem para oferecer.

Em oposição, outros sites são exímios em prestar esta informação de forma claríssima, de tal forma que, é praticamente impossível ao utilizador ter dúvidas sobre o que esse site trata, e isso é um excelente primeiro passo para “agarrar” os visitantes que lhe interessam.

2. O Que é Que Se Ganha Com Isso

A segunda questão que é importante conseguir responder é a ou as vantagens que o site, o seu serviço, informação ou produtos podem dar aos utilizadores.

Agora que está absolutamente claro o que é que o site tem para oferecer, é importante explicar as vantagens desse site, produto ou serviço em relação aos restantes.

  • Porquê este site/serviço ou produto e não outro qualquer?
  • Quais as vantagens para o utilizador?
  • O que é que ele ganha em subscrever/comprar (ou o que quer que seja o objetivo) no seu site?

Com tanta oferta disponível na Internet, é cada vez mais importante explicar ao visitante:

  • em que é o seu site é diferente;
  • em que é que o utilizador pode beneficiar ao escolhê-lo;
  • quais as reais vantagens que o podem diferenciar das outras ofertas existentes

Como já disse várias vezes, há alguns anos atrás, o mais difícil era encontrar o que se queria na internet. Agora, o paradigma mudou, e a dificuldade, é filtrar toda a informação disponível que existe e eleger as preferências, com base em aspectos que fazem como que as diversas ofertas se possam diferenciar.

Não chega dizer o que é que site trata, é fundamental “ensinar” o utilizador sobre as reais vantagens do que você oferece para ele (o utilizador), pois é isso que, no fim de contas, irá contar para este tomar uma decisão.

3. O Que Fazer

Os passos anteriores são muito importantes, mas de pouco ou nada servem se não for dada continuidade a este processo.

Depois de explicar exactamente “O Quê” e as “Suas Vantagens”, é absolutamente crucial fechar este ciclo com o que você quer que o visitante faça.

Se não o fizer, é natural que muitos utilizadores se dispersem na informação ou na navegação do seu site e não complete o objectivo que você deseja.

O que é que você quer exactamente que o visitante faça?

Que compre? Que subscreva? Que preencha algo?

Seja o que for que é o objetivo (ou um dos objectivos) do site, é fundamental informar o utilizador sobre exactamente o que se pretende que ele faça, de forma a aumentar consideravelmente a probabilidade dele o fazer.

Não só isso, mas simplificar o processo para que ele o conclua com facilidade e rapidez.

Não só em termos de usabilidade, mas também em termos de conversão, quanto mais simples for um processo, maior será a probabilidade dele ser concluído mais vezes. (lógico, certo? 🙂 )

Conclusão

Por isso, se ainda não o fez, vale a pena rever o seu site, provavelmente com “outros olhos” que lhe possam dar uma perspectiva “fresca” e distanciada da inegável cumplicidade que qualquer pessoa tem com o seu próprio site.

Este processo pode ser feito de inúmeras formas, e não requer necessariamente um investimento da sua parte. Pode fazê-lo através de clientes, amigos, ou até familiares, consoante o caso, mas o importante é ganhar algum distanciamento e feedback isento sobre os pontos que descrevi neste artigo.

A facilidade dos processos e de acesso à informação mais importante de qualquer site, é sem dúvida, um dos aspectos mais importantes sobre o seu desempenho junto dos seus utilizadores, daí a importância de responder a estas 3 questões nos primeiros segundos em que os visitantes estabelecem contato com o seu site.

Alguma vez viu se o seu site responde a estas questões?

O Melhor do Web Marketing em 2011: SEO

O SEO ganhou maior visibilidade ao longo de 2011. Não sei se começou a haver maior preceção da necessidade prestar atenção a outros aspetos que não só o visual e as funcionalidades dos sites, mas parece-me correto dizer que o SEO está a ganhar a sua devida importância no que respeita ao mercado português e brasileiro.

Esta compilação de artigos agrupa alguns do melhores artigos sobre seo abordando várias vertentes, desde alguns conceitos básicos, outros mais avançados, e também alguns mais específicos como é o caso dos artigos sobre o Panda.

O Melhor de 2011

Dito isto, nunca é demais (re)lançar o alerta: Cuidado com promessas fáceis de “primeiro lugar no Google” em “2 dias” ou “100% garantido”, ou afins.

Isso não existe, é apenas algo criado pelos chamados “chicos espertos” para lhe sacarem (literalmente) o seu dinheiro.

Seo é um processo contínuo que exige trabalho e empenho.

SEO

Espero que tenha gostado da compilação e que aproveite para ler algum que possa não ter lido.

Se houver algum tem em particular que tenha dúvidas ou questões, não hesite em deixar o seu comentário!

O Melhor do Web Marketing em 2011: Social Media

O ano de 2011 foi um ano cheio de novidades e com muitas evoluções ao nível das redes sociais, com maior foco para o Facebook e para o Google+.

Mesmo com o aparecimento do Google+, o Facebook ainda domina nos mercados português e brasileiro, bem como noutros.

Hoje trago-vos uma compilação de alguns dos melhores artigos sobre Redes Sociais publicados no Web Marketing em 2010.

O Melhor de 2011

 

Espero que gostem e aproveitem para ler algum ou alguns que vos possam ter escapado.

Mais uma vez, foi com muito gosto que fiz esta compilação para vocês!

Para 2012, prevejo algumas novidades interessantes, mas para já ainda é cedo para me adiantar 🙂

Se houver algum tópico em particular que procurem mais informação, deixem um comentário!

 

Google Zeitgeist 2011

A Google publicou o Google Zeitgeist 2011.

O Google Zeitgeist 2011 é a compilação das palavras mais pesquisadas no Google durante o ano a que diz respeito, neste caso 2011, claro.

À semelhança do ano passado, alguns dos resultados não são surpresa, mas vale a pena ver.

Do site do Google Zeitgeist:

“Zeitgeist” means “the spirit of the times”, and Google reveals this spirit through the aggregation of millions of search queries we receive every day. We have several tools that give insight into global, regional, past and present search trends. These tools are available for you to play with, explore, and learn from. Use them for everything from business research to trivia answers.

As pesquisas são apresentadas por categorias, tais como, principais pesquisas, filmes, desporto, notícias, TV, entre outras.

Também é possível ver em cada categoria as pesquisas que registam as maiores quedas.

O Google Zeitgeist apresenta, este ano, um visual renovado, na linha do novo visual dos sites Google, e também uma navegação mais interativa.

Além disso, também podemos ver um curto vídeo que recupera alguns dos momentos mais marcantes do ano de 2011.

Vale a pena visitar e ver -> Google Zeitgeist 2011.

Pessoalmente acho excelente a divulgação desta informação, mas acho também que não fazia mal nenhum a Google ir  um bocadinho mais além e divulgar mais categorias.  Não concordam?